Governo do Acre quer investir R$ 30 mi em comunidades extrativistas

BRASÍLIA - O governo do Acre quer investir R$ 30 milhões em apoio a comunidades extrativistas para garantir a continuidade da luta de Chico Mendes e evitar a derrubada de florestas do Estado.

Agência Brasil |

A previsão é do governador Binho Marques, que defende a competitividade dos produtos extrativistas para nadar contra a maré da criação de gado que pressiona o desmatamento na Amazônia.

Vinte anos depois da morte de Chico Mendes, o governador aponta dificuldades para a consolidação de uma economia sustentável no Acre, diante da concorrência com o gado, que coloca em risco a floresta em nome da abertura de pastos para a pecuária.

É muito mais fácil trabalhar com um produto que tem mercado garantido. E é contra isso que lutamos, contra uma lei de mercado, que nos coloca numa situação difícil, afirmou, em entrevista à "Rádio Nacional da Amazônia"

Herdeiro político da luta de Chico Mendes, Binho Marques compara a criação de reservas extrativistas ¿ a partir das idéias do seringueiro ¿ a um novo conceito de reforma agrária para a Amazônia.

Uma reforma diferente do modo tradicional, rural, de 50 hectares por família. Ele queria que toda uma área de seringal fosse delimitada, que ela pertencesse à União e que os moradores tivessem direito de uso dessa área e que fizessem a gestão coletiva, lembrou.

O nosso desafio é criar oportunidades para que os seringueiros possam ter atividades sustentáveis nessas reservas, acrescentou.

O Acre é um dos estados menos desmatados da Amazônia Legal. Apenas 10% da área de florestas do estado foram derrubadas. No sul de Rondônia, estado vizinho, o percentual chega a 80% em alguns trechos da floresta.


Leia mais sobre: Amazônia

    Leia tudo sobre: amazonia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG