BRASÍLIA - O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou nesta segunda-feira que o investimento em combate à dengue será de R$ 1 bilhão. Parte deste dinheiro já foi gasta em ações preventivas. Temporão participa neste momento da última reunião ministerial do ano, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na Granja do Torto, em Brasília.

Acordo Ortográfico

Cerca de R$ 270 milhões serão gastos com a folha de pagamento de agentes de saúde lotados nos municípios que trabalham com vigilância, para evitar a propagação da doença. R$ 20 milhões irão para a compra de inseticidas, enquanto R$ 128 milhões serão usados para ampliar o Teto Financeiro de Vigilância em Saúde (TFVS). 

A conta do Ministério da Saúde também inclui R$ 40,3 milhões em campanhas publicitárias, R$ 1,2 milhão com capacitação de recursos humanos e R$ 13,3 milhões para a compra de equipamentos e veículos para reforçar a estrutura já existente nos Estados. O dinheiro já permitiu a compra de 340 veículos e 300 máquinas que serão usadas por equipes de vigilância em campo.

A avaliação do ministro é de que a situação da dengue no País está melhor do que a do ano passado.

Uma pesquisa do ministério da Saúde concluída este mês mostra que 57% de 12 mil imóveis analisados apresentaram índice de infestação por larvas do Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue,  abaixo de 1% -  índice considerado satisfatório pela Organização Muncial de Saúde (OMS). Em 2007, esse percentual foi de 53,8%. 

Segundo interlocutores da Presidência, após ouvir a explanação de José Gomes Temporão Lula observou que seria oportuno pedir aos prefeitos eleitos nas últimas eleições que os municípios trabalhem em esforço conjunto com o governo federal no combate à dengue. 

No início do próximo ano, Lula deverá se reunir com os novos prefeitos para uma reunião de coordenação política. O assunto dengue seria levantado durante esse encontro.

Leia mais sobre: dengue

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.