Governo de SP e União negociam 1º trecho do Ferroanel

SÃO PAULO - O governo de São Paulo negocia com a União a construção do primeiro trecho do Ferroanel - uma versão sobre trilhos do Rodoanel que vai circundar a região metropolitana da capital paulista. Há impasse sobre a definição de que trecho deverá ser construído prioritariamente: o sul ou o norte. O objetivo do Estado é começar a construção o mais rápido possível pelo sul, para concluir em 2010, no mesmo período de inauguração do trecho sul da pista rodoviária.

Agência Estado |

Acordo Ortográfico

O Ministério dos Transportes prefere falar na construção dos dois ramais, mas sem definir qual sairia do papel primeiro. Verba para a asa norte está no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e há interesse da concessionária MRS Logística no trecho.

"A MRS se interessa pelo Ferroanel norte. Aqui (no governo paulista), entendem que o sul será o mais adequado", defende o secretário estadual dos Transportes de São Paulo, Mauro Arce.

Ele diz que a idéia é "ligar a Estrada de Ferro Santos-Jundiaí com a antiga Sorocabana". "Para o Porto de Santos, só 20% da carga é transportada por ferrovia. O resto é por caminhão", disse Arce.

O Ministério dos Transportes informou por nota que as negociações se desenvolvem satisfatoriamente, mas é precipitado estabelecer prazos para implantação. Várias reuniões foram realizadas recentemente.

"O governo federal discute com o governo do Estado como equacionar a implantação do Ferroanel, com todos seus tramos (trechos). Nesse momento, não é possível detalhar prazos nem quais etapas serão atendidas", diz a nota.

O trecho sul, uma obra com custo estimado em R$ 800 milhões, terá 55,3 quilômetros de extensão, paralelo às vias expressas do Rodoanel e beneficiará o transporte de mercadorias para o Porto de Santos. Vai fazer a ligação entre as Estações de Suzano e Rio Grande da Serra, passando pela Estação Evangelista de Souza.

Já o traçado norte, com 66 km, tem custo estimado de R$ 1,2 bilhão. A obra facilitará a chegada de cargas aos portos do Rio. Ligará o pátio da Estação Engenheiro Manoel Feio, em Itaquaquecetuba, passando por Guarulhos, Mairiporã, Nazaré Paulista e Atibaia, até chegar ao Campo Limpo Paulista, que faz conexão com a Estrada de Ferro Santos-Jundiaí. Essa proposta é analisada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O Ferroanel desafogaria as linhas da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Com o trecho sul em operação, os vagões de carga que cruzam hoje grandes estações de São Paulo, como Luz, Brás e Barra Funda, teriam linhas exclusivas. Os trens de passageiros terão prioridade.

Leia mais sobre: Ferroanel

    Leia tudo sobre: ferroanel

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG