Governo de Pernambuco testa tornozeleiras eletrônicas em presos do regime semi-aberto

RECIFE ¿ O Governo do Estado de Pernambuco recebeu nesta quarta-feira as primeiras tornozeleiras que serão testadas para o monitoramento eletrônico de dez detentos do regime semi-aberto da Penitenciária Agro-Industrial e da Colônia Penal Feminina.

Redação |

Paulo Almeida
Tornozeleiras serão testadas em 10 detentos
As tornozeleiras são compostas de um dispositivo eletrônico fixado por pulseira emborrachada de aço inoxidável e fibra óptica, sendo resistente à água e ao fogo.

Durante a ação, operadores treinados estarão monitorando as tornozeleiras 8 horas por dia durante os dias úteis da semana. Quando houver violações de conduta, o detento será avisado através de alertas vibratórios, sonoros e comunicação de voz.

Segundo o secretário executivo de Ressocialização, Humberto Vianna, o objetivo principal dessa medida é desafogar o sistema penitenciário incentivando a reinserção social e a diminuição da reincidência de crimes.

"Com isso, o Governo do Estado tem a intenção de proporcionar oportunidade do reeducando retornar à sociedade, podendo estudar e trabalhar, sempre sob constante vigilância. Além disso, não afeta a integridade física do preso e é considerado um avanço tecnológico de controle penal reconhecido internacionalmente", disse.

O monitoramento eletrônico vem sendo utilizado em países, como França, Portugal, Alemanha, Espanha e Estados Unidos, e funciona por meio de transmissor adaptado em pulseira ou tornozeleira. O dispositivo envia para um banco de dados a localização exata do preso fora da unidade prisional em qualquer ponto do país.

Leia também:

Leia mais sobre: presídios

    Leia tudo sobre: pernambucopresospresídios

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG