BRASÍLIA (Reuters) - Em reunião ministerial realizada nesta segunda-feira, o governo concluiu por uma análise favorável sobre o desfecho da crise no Senado, considerando o momento em processo de superação. A informação é do ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro. Segundo o ministro, foi positivo o balanço das conjunturas política e econômica feito na segunda reunião ministerial convocada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva neste ano.

"Entendemos que o Senado vai superar esse momento de dificuldade e que os próprios senadores têm interesse em superar esse momento", destacou Múcio a jornalistas no intervalo do almoço da reunião, realizada na Granja do Torto.

"Nós temos a certeza de que ela é superável e já está em processo de superação."

Múcio disse que a instalação da CPI da Petrobras, que está agendada para a terça-feira, é tratada como um fato consumado pelo governo.

"Entendemos que a CPI da Petrobras terá que ser instalada e isso não tem o menor problema. Temos que respeitar a vontade do Senado", explicou.

O ministro descartou que o presidente Lula tenha pedido os ministros um apoio político ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), um dos principais aliados do Palácio do Planalto no Legislativo.

Sarney, que nesta segunda-feira anulou todos os atos secretos feitos na Casa nos últimos 14 anos, é acusado de ser responsável por supostas irregularidades cometidas na administração do Senado.

Na primeira etapa, antes do almoço, os principais temas discutidos pelos ministros e pelo presidente foram a relação entre o Executivo e o Congresso e o esforço do governo para combater os efeitos da crise financeira global.

Segundo Múcio, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse que a economia brasileira crescerá acima da média mundial e que o mercado prevê para o ano que vem uma alta do Produto Interno Bruto (PIB) do país de 2,5 por cento a 5 por cento.

Na reunião, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, também falou da situação da economia. Segundo Múcio, os integrantes da equipe econômica disseram que o Brasil dá sinais de recuperação e reaquecimento e geração de empregos.

A reunião começou com uma avaliação do ministro José Gomes Temporão (Saúde) sobre como o país está enfrentando a gripe suína.

Múcio assegurou que os rumores de que a secretária da Receita Federal, Lina Vieira, teria sido demitida por Mantega não constaram da pauta da reunião.

"Entendemos que isso é uma questão do ministério (da Fazenda). Isso não foi tratado." Sua demissão, que teria ocorrido na quinta-feira, seria motivada pela forma como a Receita Federal atuou na denúncia de que a Petrobras realizou uma manobra fiscal para pagar menos imposto. O fato teria contribuído para a criação da CPI da Petrobras no Senado.

Participaram do encontro 33 ministros e três ministros interinos --Educação, Relações Exteriores e Defesa. Os ministros de Ciência e Tecnologia e Cultura não compareceram e não haviam enviado representantes.

(Reportagem de Fernando Exman)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.