Governo corre para acelerar obra do trem-bala

SÃO PAULO - O governo quer provocar impacto econômico e político com o lançamento do projeto do Trem de Alta Velocidade (TAV), planejado para ligar o Rio de Janeiro a São Paulo e Campinas.

Agência Estado |

Sob o comando da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, o Planalto vai reunir nos dias 15 e 16 dirigentes e técnicos dos Ministérios dos Transportes e da Fazenda, da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), da Valec Engenharia, Construções e Ferrovias e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para tratar exclusivamente do trem-bala brasileiro.

Durante os dois dias, os funcionários do governo conhecerão o estudo preparado pela consultoria britânica Halcrow sobre o traçado, o modelo de negócios, o potencial de passageiros e a viabilidade econômica do primeiro trem de alta velocidade das Américas.

Trata-se do mais audacioso plano de investimentos do governo para os próximos anos. A Halcrow projetou gastos de U$ 11 bilhões para as obras. Cálculos do mercado, no entanto, apontam para a necessidade de investimentos de algo em torno de U$ 14 bilhões.

Há uma grande agitação política na fase que antecede o anúncio. A ideia é que o trem-bala fique pronto um pouco antes do início da Copa do Mundo de 2014. Portanto, há pressa. Depois das reuniões dos dias 15 e 16, o projeto deve ficar à disposição para consulta pública na internet.

Assim que o projeto for aprovado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), a ANTT iniciará a fase de licitação. Seus diretores acreditam que em agosto já será possível anunciar a concorrência internacional bilionária num pregão na Bovespa. Por causa da licitação iminente, há uma mobilização entre os grandes conglomerados ligados ao setor da construção de ferrovias, todos interessados em participar.

Leia mais sobre: trem-bala

    Leia tudo sobre: trem-bala

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG