Governo atende à reivindicação de oficiais do Itamaraty

BRASÍLIA - Após reunião de segunda-feira entre o ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, e o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, ficou decidido que os oficiais de chancelaria do Itamaraty terão o aumento reivindicado. Ainda está sob análise a proposta dos assistentes de chancelaria, que tem nível médio e pedem um aumento de 170% a 200%. As informações são da assessoria de imprensa do Palácio do Itamaraty.

Sarah Barros, Último Segundo/Santafé Idéias |

Ainda assim, a paralisação dos oficiais e assistentes, nesta terça-feira, foi mantida. A previsão era de que profissionais no Brasil e no exterior se mobilizassem na paralisação de 24 horas. Com isso, o Itamaraty admite que o serviço de atendimento ao público seja afetado. Internamente, os trabalhos do ministério seguem normalmente. 

A proposta dos oficiais de chancelaria era que seus salários fossem equiparados aos recebidos por diplomatas em nível de segundo oficial. Isso elevaria os salários de R$ 4 mil para R$ 9 mil, no topo da carreira. O argumento para a equiparação é que ambos têm formação superior.

O nível escolar seria a barreira para que assistentes de chancelaria alcançassem a equiparação. Por serem profissionais de nível médio, a elevação do salário poderia provocar elevação em outros cargos do Executivo. Diante disso, o governo ainda estuda uma proposta alternativa para a categoria.

Leia mais sobre: protesto

    Leia tudo sobre: itamaraty

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG