Berlim, 3 jan (EFE).- O ministro de Assuntos Exteriores alemão, Guido Westerwelle, condenou hoje o fracassado atentado contra o chargista dinamarquês Kurt Westergaard, cometido por um suposto terrorista islâmico que pretendia se vingar pelas caricaturas do profeta Maomé publicadas há cinco anos.

"Condeno esta tentativa de assassinato da maneira mais drástica", afirmou Westerwelle, em comunicado.

"A liberdade da arte e da cultura são dois pilares de nossa comunidade de valores", acrescentou o ministro.

Westergaard conseguiu escapar, segundo suas próprias declarações ao jornal "Jyllands-Posten", "por um fio" do ataque de um somali de 28 anos que entrou na sexta-feira à noite na casa do chargista armado com um machado e uma faca, e gritando palavras como "sangue" e "vingança".

Segundo o relato policial, o chargista conseguiu se esconder em um banheiro que transformou em uma espécie de bunker de segurança desde que começou a receber ameaças contra sua vida, e chamou a Polícia, que feriu o agressor com vários disparos.

As autoridades dinamarquesas consideram que, por trás do atentado fracassado, há um "cenário terrorista". EFE rz/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.