mandato cassado na madrugada desta sexta-feira, poderá permanecer no cargo até o julgamento final de eventuais embargos de declaração (recursos) contra a decisão. Miranda e o vice-governador Paulo Sidnei Antunes foram cassados por abuso de poder político nas eleições de 2006. O TSE acatou recurso do ex-governador Siqueira Campos, segundo colocado na eleição." / mandato cassado na madrugada desta sexta-feira, poderá permanecer no cargo até o julgamento final de eventuais embargos de declaração (recursos) contra a decisão. Miranda e o vice-governador Paulo Sidnei Antunes foram cassados por abuso de poder político nas eleições de 2006. O TSE acatou recurso do ex-governador Siqueira Campos, segundo colocado na eleição." /

Governador do Tocantins ficará no cargo até esgotar recursos

Brasília - O governador do Tocantins, Marcelo Miranda, que teve o http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/06/26/tse+decide+pela+cassacao+do+governador+de+tocantins+6964902.html target=_topmandato cassado na madrugada desta sexta-feira, poderá permanecer no cargo até o julgamento final de eventuais embargos de declaração (recursos) contra a decisão. Miranda e o vice-governador Paulo Sidnei Antunes foram cassados por abuso de poder político nas eleições de 2006. O TSE acatou recurso do ex-governador Siqueira Campos, segundo colocado na eleição.

Agência Brasil |


Agência Brasil
Marcelo Miranda com o presidente Lula
Se for confirmada a cassação, o tribunal determinou a realização de eleição indireta pela Assembléia Legislativa estadual, na qual qualquer cidadão, com exceção dos cassados, poderá candidatar-se. A nova eleição se faz necessária porque Miranda foi eleito em 2006, em primeiro turno, com 51,48% dos votos válidos, computados como nulos após a cassação, e por já ter cumprido mais da metade do mandato.

Em seu voto, o relator Félix Fischer destacou provas de que houve propaganda vedada e distribuição de "benesses" indevidas a diversos eleitores. Segundo o presidente do TSE, ministro Carlos Ayres Britto, os candidatos "incidiram numa ilegitimidade formal" que invalida o resultado alcançado nas urnas.

O parecer da Procuradoria Geral Eleitoral (PGE) também foi pela cassação, por entender que  houve na época propaganda massiva de vinculação do nome do governador aos benefícios concedidos.

A denúncia era de que o governador Marcelo Miranda distribuiu  a possíveis eleitores recursos, bens, brindes, prêmios, casas, óculos, cestas básicas e consultas médicas, por meio do programa social estadual "Governo Mais Perto de Você", sem autorização legislativa e previsão orçamentária. Siqueira Campos alegava ainda na ação que Miranda infringiu a legislação eleitoral ao utilizar a máquina pública para criar cargos, fazer nomeações irregulares e movimentar servidores públicos estaduais.

O advogado de Siqueira Campos, João Costa Ribeiro, ressaltou que Miranda doou mais de  5 mil lotes e 81 mil óculos em ano eleitoral , além de utilizar-se do cargo  para atender apadrinhados da elite do Tocantins. A campanha de Miranda foi definida por Ribeiro como um rol de irregularidades.

Pela defesa do governador, o advogado Torquato Jardim alegou que por se tratar de reeleição, a candidatura não reprime as demandas sociais  e que não houve  abuso da autorização administrativa para obtenção de votos.

Os recursos para a cassação de governadores têm sido constantes no TSE. Dos eleitos em 2006, outros dois - Cássio Cunha Lima, na Paraíba, e Jackson Lago, no Maranhão - perderam os mandatos, cassados pelo tribunal por irregularidades cometidas na campanha. Os governadores de Santa Catarina, Luiz Henrique, e do Amapá, Waldez Góes, foram absolvidos das acusações e mantiveram seus mandatos.

Leia mais sobre Marcelo Miranda

    Leia tudo sobre: cassaçãodenúnciasgovernador do tocantins

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG