BRASÍLIA - O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM), reconheceu nesta terça-feira que a polícia local se mostrou despreparada em relação ao caso do torcedor são-paulino baleado por um agente policial antes da final do Campeonato Brasileiro de futebol, no último domingo, na cidade satélite do Gama.

Em visita ao Congresso Nacional, onde participa de audiência sobre o Fundo de Desenvolvimento Regional do Centro-Oeste, Arruda disse, porém, que o despreparo policial é um fenômeno nacional. Este é um fenômeno nacional. Nós aqui estamos com 1,2 mil policiais fazendo curso superior de polícia e temos essa preocupação de preparar melhor o nosso contingente policial porque a sociedade deseja segurança e não violência, disse o governador.

Arruda ponderou ainda que o incidente deve ser considerado um fato isolado e não pode excluir a capital federal do eixo dos grandes eventos esportivos, uma vez que situações como esta ocorrem também no Rio de Janeiro e São Paulo.

Brasília foi uma das sedes da Copa do Mundo de Futsal sem incidentes, tivermos também o jogo entre Brasil e Portugal e agora a decisão do brasileiro, que foi uma festa bonita, onde houve este fato isolado, que será investigado até as últimas conseqüências, recordou o governador.

Lamento profundamente o que ocorreu, mas isso não deve mudar o fato de Brasília ser receptora de grandes eventos. Situações semelhantes ocorreram no Rio e em São Paulo e em outras grandes cidades e nós não deixamos de admirá-las, disse. Brasília é uma das possíveis cidades-sede da Copa do Mundo de 2014, que será realizada no Brasil.

No último domingo, durante o jogo São Paulo x Goiás, na decisão do Campeonato Brasileiro de futebol, Nilton de Jesus, 26, viajou de São Paulo para o Gama, onde fica o estádio do Bezerrão, para assistir a partida. Integrante de uma torcida organizada do São Paulo, ele se envolveu em uma confusão entre torcidas e acabou baleado na nuca por um policial. Ele segue internado em estado grave e respira com ajuda de aparelhos.

Leia mais sobre violência

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.