morte de médica e sanitarista Zilda Arns. No twitter, Requião afirma que perdeu uma grande amiga, e sua morte representa grande perda para o Brasil e dor para os amigos." / morte de médica e sanitarista Zilda Arns. No twitter, Requião afirma que perdeu uma grande amiga, e sua morte representa grande perda para o Brasil e dor para os amigos." /

Governador decreta luto oficial no Paraná pela morte de Zilda Arns

O governador do Paraná, Roberto Requião, que está em Brasília, decretou luto oficial de três dias no estado pela http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2010/01/13/zilda+arns+morre+em+terremoto+no+haiti+9274211.html target=_topmorte de médica e sanitarista Zilda Arns. No twitter, Requião afirma que perdeu uma grande amiga, e sua morte representa grande perda para o Brasil e dor para os amigos.

Agência Brasil |

  • Veja fotos da destruição após terremoto no Haiti
  • Haiti vive cenas de destruição e desespero; assista
  • Lula está "absolutamente chocado" com morte de Zilda Arns
  • Zilda deixa uma "grande lacuna", lamenta assessor da CNBB
  • Ela morreu de uma maneira muito bonita, diz d. Paulo
  • Terremoto no Haiti mata ao menos 4 militares brasileiros

    AE
    Zilda Arns morre aos 75 anos

    Zilda Arns morre aos 75 anos

    Zilda Arns Neumann, de 75 anos, médica pediatra e sanitarista, foi fundadora e coordenadora internacional da Pastoral da Criança, fundadora e coordenadora nacional da Pastoral da Pessoa Idosa, organismos de ação social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

    Era representante titular da CNBB, do Conselho Nacional de Saúde e membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES). Nascida em Forquilhinha (SC), residia em Curitiba (PR), tinha cinco filhos e dez netos. Ela escolheu a medicina como missão e dedicou-se à saúde pública.

    Em 1980 foi convidada para coordenar a campanha de vacinação Sabin, de combate à primeira epidemia de poliomielite, que começou em União da Vitória (PR), e criou um método próprio, depois adotado pelo Ministério da Saúde.

    Em 1983, a pedido da CNBB ela cria a Pastoral da Criança junto com Dom Geraldo Majela Agnello, Cardeal Arcebispo Primaz de São Salvador da Bahia, que na época era Arcebispo de Londrina. Foi então que desenvolveu a metodologia comunitária de multiplicação do conhecimento e da solidariedade entre as famílias mais pobres.

    Ela dizia que a educação das mães por líderes comunitários capacitados era a melhor forma de combater a maior parte das doenças que pode ser facilmente prevenidas e a marginalidade das crianças.

    A Pastoral acompanha mais de 1,9 milhões de gestantes e crianças menores seis anos e 1,4 milhão de famílias pobres, em 4.063 municípios brasileiros. São mais de 260 mil voluntários.

    Por seu trabalho na área social, Zilda Arns recebeu diversas condecorações. Em 2006 foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz junto com mulheres de todo o mundo selecionadas pelo Projeto 1000 Mulheres, de uma associação suíça.

    Leia também:

    Leia mais sobre terremoto

    • Leia tudo sobre: haiti

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG