GM planeja novos cortes e venda de ativos

A General Motors anunciou ontem que vai reduzir em 20% seus custos com trabalhadores assalariados, eliminar o pagamento trimestral de dividendos e reduzir ainda mais a produção de picapes para ter caixa suficiente para financiar sua recuperação por pelo menos mais dois anos. As medidas, que incluem a venda de pelo menos US$ 2 bilhões em ativos e a captação de até US$ 3 bilhões em empréstimos, devem render cerca de US$ 15 bilhões até o fim de 2009, disse o presidente da empresa, Rick Wagoner.

Agência Estado |

Segundo o executivo, a empresa deixará de fornecer cobertura de saúde para assalariados aposentados aos 65 anos e vai oferecer pacotes de rescisão e de aposentadoria antecipada para reduzir a força de trabalho assalariada, além de congelar o pagamento básico dos assalariados até o ano que vem.

Além disso, executivos da GM não receberão mais bônus em dinheiro. "São ações duras, mas necessárias", disse Wagoner. "Essas medidas , juntamente com o caixa existente e as linhas de crédito disponíveis, nos proporcionarão uma ampla liquidez até 2009, mesmo com os pressupostos de vendas conservadores do setor nos EUA."

Analistas disseram que a empresa precisa de pelo menos US$ 10 bilhões a US$ 15 bilhões de capital novo, mas o plano aparentemente não foi suficiente para impressionar os investidores, que derrubaram a cotação das ações da GM para um novo piso, de US$ 8,85, no pregão de ontem pela manhã. Isso é quase 6% abaixo da cotação de fechamento na segunda-feira, US$ 9,38, o fechamento mais baixo da ação em mais de meio século. A ação valia mais de US$ 40 ainda em outubro do ano passado.

Wagoner disse que a GM vai eliminar um total de 300 mil unidades da capacidade de produção de picapes e utilitários esportivos até o fim de 2009, o dobro da redução que anunciara há seis semanas. Os cortes adicionais serão conseguidos com o fechamento de algumas fábricas mais cedo que o planejado e com outras medidas que ele não detalhou.

Os orçamentos globais de engenharia serão congelados nos níveis do ano passado, e as despesas de capital serão limitadas ao retardamento do trabalho na nova geração de picapes e utilitários esportivos, disse ele.

Além disso, a empresa firmou um acordo com o sindicato United Automobile Workers para postergar para 2010 o pagamento ao sindicato de US$ 1,7 bilhão em seguro-saúde deste ano e de 2009. As informações são do O Estado de S. Paulo

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG