O Clone - Brasil - iG" /

Glória Perez rejeita comparar nova novela com O Clone

Uma campanha social, uma cultura distante e muito chororô indicam que é uma novela de Glória Perez que vem por aí. Mas ontem, na apresentação para a imprensa de Caminho das Índias , a autora chamou de preconceituoso quem considera que seu próximo folhetim das 21 horas seja um novo O Clone (2001).

Agência Estado |

“A única semelhança é o trabalho com culturas opostas à nossa. De resto, não tem nada a ver. São danças diferentes, cores diferentes, países diferentes.”

Porém, Glória planeja repetir esse ano o feito de audiência que conseguiu com novelas como O Clone e América (2005). Sem medo de errar, diz que espera atingir índices que há tempos não são marcados no horário nobre. "Eu me preocupo com audiência, sim. Quem diz que não, é mentiroso. Quero chegar à meta de 60, 70 pontos no Ibope. Claro que as pessoas mudaram a maneira de ver novela. Mesmo assim, quero recuperar a audiência no horário nobre", admite.

Com apenas 24 capítulos escritos até agora, a roteirista espera atingir a meta com uma estratégia que funciona bem para ela: acompanhar a reação do público aos personagens. Por isso, sua grande causa social dessa vez - o esclarecimento sobre o que é a loucura - deve ser levada de acordo com a aceitação popular. Personagens como Tarso (Bruno Gagliasso) e Dr. Castanho (Stênio Garcia) serão essenciais na discussão. No caso do doutor, vai deixar a audiência dizer se é médico ou louco. "O público vai definir o comportamento dele", fala Stênio.

A ponte entre os diferentes lados da novela, nas sociedades indiana e brasileira, será a exclusão. Aqui, o esquizofrênico Tarso, cobrado demais pela família, representará os excluídos. Já na Índia, o mocinho Bahuan (Márcio Garcia) será um intocável. Além disso, Bahuan viverá um amor proibido com Maya (Juliana Paes). Segundo Glória, o amor entre os dois, por pertencerem a castas diferentes, será algo difícil de entender para os indianos. "Por isso, lá o romance não vai ter beijo. Quando acontece isso na Índia, o casal precisa mudar de país. A mesma coisa acontece na novela. Mas tem o lado de ficção, claro", diz a autora.

Maya será uma sofredora de plantão. Mas Glória rejeita a ideia de uma nova Jade (Giovana Antonelli). "São papéis diferentes e atrizes diferentes". Juliana Paes, por sua vez, assume que as duas terão em comum a choradeira - que, acredita, pode chegar a irritar o público. As informações são do Jornal da Tarde.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG