BRASÍLIA - Após ouvir críticas dos senadores sobre a atuação da Polícia Federal e o excesso de interceptações telefônicas usadas nas investigações, o ministro da Justiça, Tarso Genro, admitiu a fragilidade da legislação sobre escutas no País e disse ser compreensível que a população esteja assustada com o que ele chamou de ¿síndrome do grampo¿.

Temos consciência da síndrome do grampo no País. Ela é justificável tendo em vista que não há regras para compra de equipamentos, então, teoricamente qualquer um pode comprar, comentou o ministro, em audiência pública na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado.

O diretor-geral da PF, Luiz Fernando Corrêa, que também participa da reunião no Senado, alertou os senadores para o fato de que as suspeitas de grampos ilegais têm sido geralmente atribuídas à PF.

Sempre quando há invasão de privacidade se voltam para os agentes da lei como os vilões. Tem que se destacar uma barreira entre quem esta dentro da lei e quem não está, disse o diretor. 

De acordo com Corrêa, de 150 mil inquéritos abertos pela Polícia Federal, apenas 3% envolvem escutas. Não produzimos espionagem, produzimos provas. Eu, inclusive, defendo um maior controle, porque quem trabalha dentro da lei não tem medo de controle, afirmou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.