Genro admite intrigas entre Polícia Federal e Supremo Tribunal Federal

BRASÍLIA - O ministro da Justiça, Tarso Genro, admitiu, nesta sexta-feira, estar havendo tentativa de intriga entre a Polícia Federal (PF) e o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes. ¿Eu conversei com o Gilmar e ele me disse ser esta a informação, de que tem alguém, que não se sabe quem, que está plantando uma intriga¿, disse.

Regina Bandeira - Último Segundo/Santafé Idéias |

Tarso Genro descartou que a PF tenha investigado o presidente do STF a pedido do juiz Fausto de Sanctis. Liguei para ele e ele confirmou que jamais faria isso, afirmou. Tarso explicou que um juiz federal não pode determinar a vigilância de um ministro do Supremo, só outro ministro poderia fazê-lo. E, em segundo lugar, a PF não poderia cumprir esta ordem, seria uma ordem ilegal. O ministro falou durante a posse de novos agentes PF em Sobradinho, no Distrito Federal.

O diretor da PF, Luiz Fernando Corrêa, também negou estar havendo vigilância do Supremo e disse que não há nada para apurar, já que não houve isso por parte da PF. Isso é uma das tantas fofocas em torno dessa operação, reforçou.

Sobre a soltura e prisão de Daniel Dantas, Corrêa disse ver os procedimentos com normalidade. Das possíveis relações balançadas entre PF e Gilmar Mendes, ele disse que não existe crise de relacionamento da PF com o ministro Gilmar Mendes, nem como poder judiciário.

Depoimento e habeas-corpus

Agência Estado
Dantas voltou à prisão nesta quinta
Daniel Dantas depõe nesta sexta-feira na Polícia Federal, em São Paulo. Ele foi preso novamente na quinta-feira após obter um habeas-corpus concedido pelo ministro Gilmar Mendes.

Mendes, evitou comentar a prisão preventiva de Daniel Dantas decretada pelo juiz Fausto de Sanctis, da Justiça Federal de São Paulo, na tarde de quinta-feira.

Questionado se seria uma afronta à sua decisão, o ministro reiterou a falta de informações no caso. Não conheço a decisão. Vamos aguardar", disse Mendes, que concedeu na noite de quarta-feira o habeas-corpus que libertou Daniel Dantas e outras 10 pessoas presas na operação.

O advogado do banqueiro, Nélio Machado, afirmou na noite de quinta-feira que vai entrar, nesta sexta-feira, com pedido de habeas-corpus no Tribunal Regional Federal (TRF). Machado não descartou entrar com nova ação no Supremo Tribunal Federal (STF), caso o habeas-corpus seja negado pelo TRF. "Não descarto ir ao STF, mas o mais urgente, agora, é ficar aqui auxiliando meu cliente", explicou.

Nahas e Pitta

O mesmo Gilmar Mendes do habeas-corpus de Dantas concedeu o pedido de soltura ao megainvestidor Naji Nahas e ao ex-prefeito de São Paulo, Celso Pitta, na tarde de quinta-feira. O ministro atendeu ao pedido da defesa, de estender o habeas-corpus que libertou Daniel Dantas na manhã desta quinta-feira.  Nahas e Pitta deixaram a carceragem da PF nesta sexta-feira.

Atrito no Judiciário

A decisão de Gilmar Mendes, de conceder habeas-corpus a Daniel Dantas, gerou revolta no Ministério Público Federal em São Paulo, que participa das investigações da Operação Satiagraha.

Em entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira, o procurador  Rodrigo De Grandis disse que a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), de libertar Daniel Dantas na noite desta quarta-feira foi "inconstitucional" . "Na minha opinião, a decisão foi ilegal e inconstitucional. Daniel Dantas não tem foro privilegiado".

De Grandis foi o autor do pedido de prisão preventiva que levou Dantas de volta à prisão menos de 24 horas depois de o banqueiro ter sido beneficiado pela decisão do STF.

Leia mais sobre: Polícia Federal

    Leia tudo sobre: operação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG