Genoma pode subsidiar vacina contra malária, diz pesquisadora

A pesquisadora do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) Ana Tereza Vasconcelos afirma que já há dados suficientes para subsidiar a produção de vacinas contra a malária e repelentes para o vetor. Isso porque cientistas brasileiros já conseguiram mapear 85% do genoma do mosquito transmissor da doença na América do Sul, o Anopheles darling .

Agência Estado |

O sequenciamento do genoma permite identificar os genes responsáveis pelas características do mosquito, além de identificar proteínas importantes para estudos de combate à malária. O LNCC pretende decodificar mais de 90% do genoma ainda neste ano.

Ana Tereza diz que vai demorar até que se chegue à produção de vacinas ou repelentes após o sequenciamento, embora, afirma a pesquisadora, já haja estudos com esse objetivo. "Identificamos algumas proteínas que são responsáveis pelo mosquito sentir o odor do homem. Se a gente criar um repelente capaz de impedir que o inseto tenha esse olfato tão apurado, ele não vai mais picar o homem e vai acabar morrendo, porque precisa do sangue humano para se alimentar”, diz Ana Tereza. As pesquisas integram o projeto Rede Genoma Brasileiro. As informações são da Agência Brasil.

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG