O presidente da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), Sérgio Gaudenzi, afirmou hoje que a falta de conhecimento dos auditores técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o setor aéreo provocou falhas nos relatórios que apontaram um superfaturamento de pelo menos R$ 3 bilhões nas obras de reforma e ampliação nos nove principais aeroportos do País. O TCU não tem referência de preços para aviação e utiliza referenciais de outras áreas.

Evidente que o concreto usado na construção de um conjunto habitacional ou o asfalto utilizado em uma estrada é diferente do material empregado nas pistas dos aeroportos onde aterrissam aviões pesando dezenas de toneladas. Nosso material é muito mais caro", afirmou.

De acordo com o presidente da Infraero, a solução seria o TCU adotar como referência os preços praticados nos países vizinhos. Gaudenzi, que classificou a fiscalização do TCU como "percalço", disse que o temor pelo embargo de obras e licitações faz com que muitas vezes a estatal pratique preços nas concorrências que não atraem empresas. "A Infraero é presa por ter e por não ter cachorro. Se colocamos um preço alto, o TCU nos acusa de sobrepreço. Se colocamos um preço baixo, as empresas não se interessam por concorrer pela licitação e alegam que não é possível realizar a obra por aquele valor."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.