Garibaldi veta empresas suspeitas de fraude em nova licitação do Senado

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), declarou, nesta terça-feira, que as três empresas suspeitas de terem fraudado licitações para prestar serviços de limpeza e segurança na Casa serão impedidas de participar da nova concorrência. A decisão faz parte das medidas para reagir a denúncias de tráfico de influência nos contratos feitos pelo Senado e investigados pela Polícia Federal (PF).

Rodrigo Ledo ¿ Último Segundo/Santafé Idéias |

Nas últimas semanas, Garibaldi foi constrangido pelas denúncias de que o primeiro-secretário do Senado, senador Efraim Moraes (DEM-PB), e o diretor-geral da Casa, Agaciel Maia, fizeram parte de um esquema para favorecer as empresas Ipanema, Conservo e Brasília Informática em licitações.

"O edital [da nova licitação] já está sendo providenciado. Agora a nossa preocupação é ver se estas empresas não têm condições de entrar na nova licitação, para não frustrar a nossa providência [de realizar novos contratos]" afirmou Garibaldi.

Ele acrescentou que, além das apurações da PF e do Ministério Público, o Senado também está realizando investigações próprias sobre o caso.

Leia também:

  • Senado substituirá empresas terceirizadas sob suspeita
  • Senado fará nova licitação para empresas prestadoras de serviços
  • Leia mais sobre: licitações

      Leia tudo sobre: licitação

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG