Apesar do apoio que a maioria da bancada do PMDB ainda mantém ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), o senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), ex-presidente da Casa, questionou a conveniência da permanência dele no cargo. Cada um decida à sua maneira.

Mas eu, se estivesse numa situação dessas, pelo menos pediria uma licença, ainda que corresse o risco de não voltar (ao cargo)", afirmou Garibaldi, em entrevista, antes de entrar na sala da Liderança do PMDB no Senado para uma reunião com os colegas sobre a crise.

A reunião dos senadores do PMDB foi convocada depois que o DEM decidiu pedir o afastamento temporário de Sarney da presidência da Casa até a conclusão das investigações sobre denúncias de irregularidades. O PMDB estava contando com o apoio a Sarney de cerca de 50 dos 81 senadores. Agora, sem os 14 senadores do DEM, o PMDB vai ter que refazer as contas.

Conforme reportagem do jornal O Estado de S. Paulo , Sarney é um dos parlamentares citados entre os que teriam parentes beneficiados por meio de atos secretos adotados para criação de cargos, nomeações e aumentos salariais. Além disso, o esquema de crédito consignado no Senado, alvo de investigação da Polícia Federal (PF), inclui entre seus operadores José Adriano Cordeiro Sarney, neto do peemedebista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.