Garibaldi exige apelo do PMDB para desistir de candidatura

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), afirmou na segunda-feira que só desistirá de tentar se reeleger em favor de José Sarney (PMDB-AP) se a bancada do partido se reunir e fizer esse apelo. Até agora, Garibaldi e o petista Tião Viana (AC) são os únicos senadores que já lançaram candidatura para a eleição que definirá o próximo presidente da Casa, no dia 2 de fevereiro. Ex-presidente da República e do Senado, Sarney tem dito que só será candidato se seu nome for objeto de consenso entre os colegas.

Reuters |

"Não vim ser candidato para desistir no meio do caminho", disse Garibaldi a jornalistas, lembrando que a bancada do PMDB chegou a lançar sua candidatura por unanimidade depois que Sarney se recusou a entrar na disputa. "Se aqueles 17 peemedebistas que se reuniram em dezembro voltarem a se reunir e disserem que não dá, aí pode ser."

O presidente do Senado ainda alfinetou o adversário: "Diga para o Tião que, se quiser desistir, que desista. Eu não vou desistir".

O peemedebista também rechaçou a tese de que sua reeleição poderia abrir uma brecha legal para um eventual terceiro mandato para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Não vejo ninguém da oposição falar isso, por que ela (a tese) é esdrúxula. Uma coisa não tem nada que ver com outra", sublinhou.

"Terceiro mandato do presidente seria por uma PEC e a eleição do Senado é daqui a 20 dias", argumentou.

Assim como só permite dois mandatos consecutivos ao presidente da República, a legislação brasileira proíbe a reeleição dos presidentes do Senado e da Câmara em uma mesma legislatura. Garibaldi, no entanto, alega que ocupa a presidência do Senado em um mandato tampão devido à renúncia de Renan Calheiros (PMDB-AL).

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG