O presidente do Senado Federal, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), disse nesta quinta-feira que vai cumprir a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) - que proibiu a contratação de familiares no Judiciário, Legislativo e Executivo - e demitir um parente de seu gabinete.

A decisão do judiciário deve ser cumprida. Eu vou ter de dispensar um parente meu que trabalha no gabinete, reconheceu Garibaldi. 

O presidente do Senado adiantou que será feito um levantamento na Casa para saber se há outros parentes contratados nos gabinetes e  revelou que foi surpreendido. Pensei que a decisão atingiria aqueles que tinham parentes no judiciário e não nos outros poderes, mas o STF decidiu no sentido de que tivéssemos a decisão alcançando os demais poderes, falou.

Segundo Garibaldi, o fim do nepotismo poderia ter sido votado pelo Congresso, mas não houve consenso nem interesse dos parlamentares. "Depois que eu cheguei na presidência confesso que não houve discussão para votar os projetos que estavam em andamento nesse sentido, reconheceu.

Para começar a valer a nova lei, o STF terá primeiro de editar uma súmula vinculante detalhando como se dará a aplicação da norma. Devem ficar fora da proibição determinados cargos políticos como ministro de Estado, secretários estaduais e municipais. Será definido também o grau de parentesco que será qualificado como nepotismo.

Leia também:

Leia mais sobre: nepotismo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.