Mar Gonzalo. Nova York, 19 mar (EFE).- O renomado roteirista de histórias em quadrinhos Matt Fraction se uniu à Sega no lançamento de Homem de Ferro 2, sua primeira incursão em uma plataforma tão complexa como a dos videogames.

"Quando escrevo uma história em quadrinhos sempre me envolvo muito, é um processo muito pessoal e que se desenvolve de forma muito linear. Por outro lado, escrever um videogame foi uma experiência muito diferente, muito completa, interativa e com uma estrutura narrativa completamente atípica", explicou Fraction à Agência Efe.

O jogo deve chegar ao mercado em 4 de maio, três dias antes da estreia no cinema de "Homem de Ferro 2", protagonizado outra vez por Robert Downey Jr.. No entanto, o roteiro do jogo é completamente diferente da sequência do blockbuster.

"Acho que saem maus jogos dos filmes, portanto adorei que a Sega não buscasse uma adaptação, mas um roteiro original", afirmou Fraction, responsável pelas novas aventuras em quadrinhos do Iron Man da Marvel há mais de dois anos.

Para ele, a estrutura narrativa complexa de um videogame se deve ao grande número de pessoas que trabalham no seu desenvolvimento.

"Há muita gente: os roteiristas, os desenvolvedores, os produtores (...) é um esforço muito mais de equipe que lembra em certo sentido a álgebra, onde te dão uma equação e você tem que fazer com que tudo se encaixe para achar o valor de X", argumenta.

Com o objetivo de garantir uma grande conexão entre o Homem de Ferro das histórias em quadrinhos, o do filme e o que protagoniza a segunda parte do jogo, a Sega escolheu Fraction como roteirista.

Além de ser o atual responsável pelas histórias em quadrinhos do personagem, ele é também um dos autores mais bem vistos no setor e um fã dos videogames.

Nessa história original, o multimilionário Tony Stark presenteia o mundo com uma nova tecnologia capaz de transformá-lo em um lugar melhor. No entanto, segundo explica a Sega, a natureza filantrópica do playboy não será suficiente para mantê-lo afastado dos inimigos, que querem fazer mau uso dessa tecnologia.

Para enfrentar os inimigos, o jogador parte da base de operações de Stark onde pode personalizar armadura e armamento. Uma vez lá, ele terá que encarar grandes vilões em meio à confusão de uma crise mundial.

"Aprendi que em um videogame como este é importante que apareçam coisas muito grandes, porque são visualmente importantes.

Narrativamente é preciso tornar coerente e cumprir com todos os requisitos para que a experiência do jogo seja completa e satisfatória", explicou Fraction.

Por isso, conta, esta versão do Homem de Ferro conta com inimigos muito maiores e armas "muito potentes e visuais", capazes de derrubar grandes estruturas, mas também de garantir enfrentamentos espetaculares a curta distância.

"Com um roteiro original, uma trilha sonora incrível (formada por 15 temas do grupo AC/DC) e vozes de grandes figuras de Hollywood, 'Homem de Ferro 2', o videogame, oferece uma experiência de jogo para qualquer tipo de jogador", assegurou recentemente o vice-presidente de Marketing da Sega América, Sean Ratcliffe.

As versões desenhadas pela Sega para o PlayStation 3, PSP, Wii e Xbox 360 contarão com algumas das vozes do filme, como a de Don Cheadle, que encarna o ex-ajudante de Stark, James "Rhodey" Rhodes, e a de Samuel Jackson, que interpreta Nick Fury.

Nesta ocasião, o jogador poderá escolher entre ser o Homem de Ferro ou a Máquina de Combate, que não apareceu na primeira versão.

Os dois personagens contam com armaduras personalizáveis e podem realizar uma série de movimentos de combate, que utilizarão para lutar contra Crimson Dynamo - que só aparece no videogame -, entre outros vilões clássicos da Marvel.

Fraction diz que desfrutou mais dos diálogos e reconhece que a sua maior preocupação nesta nova empreitada foi assegurar que "o videogame seja coerente com o filme e a história em quadrinhos".

"Queria que a pequena parte do império que eu controlava fosse percebida de forma genuína, sincera e em harmonia com o resto do universo do Homem de Ferro", explicou o roteirista, que diz que não duvidaria em repetir a experiência no mundo dos videogames.

"Mas eu gostaria estar envolvido desde o começo, conhecer os aspectos da equação antes de me ver envolvido nela, determinar o tamanho das coisas e a sua forma, em lugar de montar algo em andamento , completou. EFE mgl/pb/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.