Gaitista galego reencontra suas raízes no Brasil

O gaitista galego Carlos Núñez, principal embaixador da música desta região celta da Espanha, reencontrou suas raízes no Brasil, onde gravou seu último álbum, Alborada do Brasil, fruto de três anos passados no país sul-americano.

AFP |

Nesta viagem ao Brasil, "encontramos as conexões entre a música brasileira e a música da Galícia, mas nunca pensei que seriam tão fortes. Foi uma revolução total para mim", disse à AFP Núñez, que é considerado um dos maiores gaitistas do mundo.

Nascido em Vigo, Galicia, em 1971, Núñez, que faz turnê pela França, é um intérprete prodigioso dos instrumentos tradicionais celtas - gaita de fole e flautas -, mas também modernizou esta música, incorporando instrumentos e ritmos de outros países.

Em "Alborada do Brasil" (RCA/Sony Music), tocam como convidados do músico galego grandes nomes da música brasileira, como Carlinhos Brown, o cantor Lenine e o acordeonista Dominguinhos, que tocam junto com o grupo irlandês The Chieftains.

Adriana Calcanhotto, Jaques Morelenbaum, Fernanda Takai, Wilson das Neves, Yamandú Costa e a escola de samba Beija-Flor também participaram do álbum.

Em entrevista à AFP, Núñez confessou que visitou o Brasil em busca de um bisavô, um músico, como ele, que emigrou para o país no início do século XX. Infelizmente, nunca conseguiu encontrar pistas sobre ele.

Mas, o gaitista acabou descobrindo com assombro os estreitos vínculos entre as músicas brasileira e galega.

Desde então, aprofundou sua indagação sobre os vínculos entre estas duas músicas.

"O que o Brasil nos dá é, sobretudo, uma mistura: melodias europeias e música celta, com um sentido rítmico e grande senso de liberdade. O ritmo é muito africano, mas as melodias são bastante medievais", explicou.

"O que foi uma surpresa é que encontramos essa cultura antiga muito viva" no Brasil, acrescentou o músico, que visitou de Salvador a Porto Alegre, passando por Rio de Janeiro, Minas Gerais e o sertão nordestino.

"A primeira colonização ocorreu no nordeste. Os portugueses levaram a gaita para lá e sua música continua sendo bastante medieval", disse.

"Quando os portugueses chegaram ao Brasil, por volta de 1500, eles representaram um Portugal mais antigo, mais celta. Foi este Portugal que foi levado ao Brasil: o da Idade Média", acrescentou.

"O barroco, o Renascimento, a guitarra vieram depois", explicou o músico, cuja popularidade aumentou após aparecer na trilha sonora do filme "Mar Adentro" (2004), do diretor Alejandro Amenábar.

O músico destacou que o acordeão, instrumento essencial em algumas músicas brasileiras, parecia ter tomado o lugar de instrumentos medievais, sem perder sua linguagem.

"No Nordeste, se chama sanfona. E no sul, gaita!" exclamou.

Este instrumento, "com que o músico, além da melodia, pode pôr acordes, substituiu os instrimentos medievais por volta do século XX, mas manteve sua alma", concluiu Núñez, que lançou uma dezena de trabalhos desde que surpreendeu, em 1996, com seu primeiro álbum, "A irmandade das estrelas".

chc/ame/mvv

    Leia tudo sobre: música

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG