Gabrielli fala em ajustes em plano 2009-2013 se faltar dinheiro

Por Tom Bergin LONDRES (Reuters) - A Petrobras está preparada para cortar seu plano de investimentos ou buscar recursos de fontes que antes julgava pouco atrativas se tiver dificuldade para atender suas necessidades de caixa no ano que vem e nos próximos anos.

Reuters |

O presidente da empresa, José Sergio Gabrielli, disse que a companhia ainda necessita assegurar 8,9 bilhões de dólares para os investimentos programados para 2010. E que também precisa refinanciar um empréstimo ponte de 5 bilhões de dólares no período de dois anos.

"Acreditamos que podemos financiar 2010 e achamos que há possibilidade de reduzir custos... se não for possível, se não formos bem-sucedidos, então teremos que fazer ajustes", disse Gabrielli a jornalistas em Londres.

Segundo ele, 35 por cento do plano de investimentos de 174 bilhões de dólares para o período de 2009 a 2013, anunciado há pouco mais de uma semana, poderia ser cortado sem impactar projetos que já estão em construção.

A petroleira acredita que a queda nos preços de serviços e equipamentos no setor de petróleo e um valor maior esperado para a commodity poderiam compensar a falta de recursos.

No entanto, Gabrielli afirmou que a companhia poderia recorrer ao mercado internacional de bônus, mesmo considerando caras as condições atuais, para refinanciar o empréstimo ponte e para levantar o dinheiro que falta do total de 8,9 bilhões necessários para 2010.

Outra alternativa, segundo o presidente da companhia brasileira, seria securitizar vendas futuras de petróleo para levantar recursos, além de contar com linhas de financiamento de organismos de fomento nos países que podem fornecer equipamentos e serviços à Petrobras.

Gabrielli não quis fornecer uma estimativa de prazo sobre até quando a empresa manteria inalterado o seu plano de investimentos, tampouco forneceu uma previsão para lançar mão dos outros instrumentos financeiros.

Um pouco antes do presidente da Petrobras falar com os jornalistas, o diretor financeiro, Almir Barbassa, disse em um encontro com analistas que a estatal poderia vender reservas para levantar recursos, apesar de salientar que isso ainda não estava sendo proposto.

"Estamos confiantes de que conseguiremos financiar e implementar o plano de investimentos", afirmou Barbassa.

O plano de investimentos de 174 bilhões de dólares anunciado com estardalhaço pela estatal ficou 55 por cento acima do volume de recursos previsto no período anterior (2008 a 2012), mesmo em meio à crise que dificulta a obtenção de crédito.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG