BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a defender hoje que o G-20 concentre todas as discussões sobre a atual crise financeira internacional. Para Lula, o grupo de países em desenvolvimento tem autoridade moral para isso, uma vez que representa quase 80% da riqueza mundial.

"Poderemos criar outros grupos pra discutir outros assuntos. Para cada assunto você reúne quem você quiser, agora, na questão econômica, precisamos definir que o G-20 é que tem que decidir as regras que vão controlar o sistema financeiro e vai reger a economia mundial daqui pra frente", disse, durante o programa semanal Café com o Presidente.

Lula lembrou ainda que o mundo não se constitui apenas dos países-membros do G-20 e que países menores também devem ter espaço para participar. Ele defendeu que a Organização das Nações Unidas (ONU) seja uma "referência" para envolver países pequenos nas discussões.

"Se um país de 1,3 bilhão de habitantes, como a China, tem responsabilidade, uma ilha de 300 mil habitantes também tem. Ninguém pode querer ter a hegemonia de achar que determinados grupos de países são os que decidem."
Para ele, o cenário é de "otimismo" em relação à próxima reunião do G-20, marcada para setembro. Ele destacou, entretanto, que as decisões já tomadas pelo grupo - como injetar dinheiro no Fundo Monetário Internacional (FMI) e discutir a Rodada Doha - levam tempo.

(Agência Brasil)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.