Fundo Global corta 10% dos recursos para remédios

A crise econômica internacional chegou à saúde. O Fundo Global, criado há seis anos para financiar no mundo a luta contra aids, tuberculose e malária, circulou comunicado pedindo que novos projetos de países pobres tenham orçamentos reduzidos em 10% para a compra de remédios.

Agência Estado |

A ordem, segundo o jornal O Estado de S. Paulo apurou, veio dos países ricos, principais responsáveis pelo financiamento.

Paulo Teixeira, vice-presidente do Comitê de Política e Estratégia do Fundo, diz que países latino-americanos já reclamaram do corte. “Protestamos”, afirmou Teixeira, que foi o diretor do programa de combate à aids no Brasil. Segundo um analista do Fundo, “a cada projeto de países pobres pedindo recursos, somos obrigados a informá-los de que precisam reduzir em 10%”. O orçamento total para este ano será divulgado no próximo dia 31 de março, após reunião na Espanha.

Em números absolutos, o Fundo terá crescimento em relação a 2008 para atender um número maior de pedidos de financiamento. Mas o ritmo de expansão deve ser menor e, para cada projeto, o volume total de recursos será reduzido. A entidade, considerada a maior financiadora de projetos contra as três doenças, direcionou US$ 15 bilhões para governos e organizações não-governamentais. Cerca de 2 milhões de pessoas recebem coquetéis antirretrovirais, destinados a pacientes com aids, e 4,6 milhões são tratados contra tuberculose com essa verba. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG