O presidente Luiz Inácio Lula da Silva apontou a votação do projeto que cria o Fundo Soberano e da proposta de reforma tributária como os dois grandes temas prioritários para o governo até o final do ano, em encontro com o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP). Os dois projetos estão em tramitação na Câmara.

"Esses dois temas dizem respeito aos interesses do País", afirmou Chinaglia.

Crítico quanto ao número excessivo de medidas provisórias (MPs), o presidente da Câmara mostrou a dificuldade que a Casa enfrenta com a edição de MPs. "O presidente (Lula) entende o problema", disse. O projeto que cria o Fundo Soberano, em regime de urgência, trancará a pauta do plenário no dia 2 de setembro impedindo outras votações.

Chinaglia afirmou que a eventual edição de uma MP tratando do reajuste dos servidores públicos não foi tratada na conversa com Lula. No entanto, Chinaglia avaliou que não deve haver resistências na Câmara. "Não antecipo problemas pela situação específica, porque é uma reposição de perdas (salariais)." Ele disse que cabe ao governo decidir se enviará o reajuste por medida provisória ou por projeto de lei.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.