RIO - Os três funcionários de Angra 2 afetados no acidente ocorrido no dia 15 deste mês já voltaram a trabalhar normalmente, mas ainda serão submetidos a exames por um órgão independente. De acordo com o diretor de planejamento, gestão e meio ambiente da Eletronuclear, Pérsio Jordani, os funcionários já passaram por duas avaliações feitas pela própria estatal e uma em um hospital da região.

"Mesmo assim, a partir de amanhã eles serão monitorados por um órgão independente", garantiu Jordani, que participou de almoço no Clube de Engenharia, no Centro do Rio.

Jordani afirmou que o acidente ocorrido no dia 15 foi imediatamente comunicado à Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) e à Prefeitura de Angra dos Reis, cidade onde fica a usina. "Comunicamos imediatamente, como está no nosso estatuto. Eles é que divulgam o ocorrido", disse o executivo.

Jordani afirmou que serão tomadas providências para corrigir alguns procedimentos internos da usina e informou que a Eletronuclear tem 30 dias para apresentar à CNEN um relatório com a apuração do ocorrido. "Vamos corrigir para que não aconteça mais", destacou.

O diretor de radioproteção e segurança nuclear da CNEN, Laércio Vinhas, reiterou que o acidente ocorreu quando um funcionário esmerilhava uma peça e não envolveu vazamento de combustível radioativo.

"Provavelmente, alguém esqueceu uma porta aberta", disse Vinhas. "Mas não tinha nada a ver com o combustível, tanto que o reator não foi desligado", acrescentou.

(Rafael Rosas | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.