Funcionários da USP prometem fechar prédios hoje

Funcionários da Universidade de São Paulo (USP), que entraram ontem em greve, prometem bloquear hoje entradas e interromper as aulas em duas faculdades. Os prédios da Escola de Comunicação e Artes (ECA) e da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, no centro da cidade, devem ser fechados pelos grevistas.

iG São Paulo |

Funcionários da Universidade de São Paulo (USP), que entraram ontem em greve, prometem bloquear hoje entradas e interromper as aulas em duas faculdades. Os prédios da Escola de Comunicação e Artes (ECA) e da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, no centro da cidade, devem ser fechados pelos grevistas.

O ato, aprovado ontem em assembleia do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), foi classificado pelo movimento como uma "radicalização", em reposta a comunicado divulgado pela reitoria da USP. Na terça-feira, além de divulgar liminar judicial que prevê multa de R$ 1 mil por dia em casos de piquetes ou bloqueios, a reitoria prometeu cortar o ponto dos grevistas.

"Essa foi uma tentativa clara da universidade de querer nos intimidar", afirmou o diretor do Sintusp, Magno de Carvalho. Ele espera que os câmpus de Ribeirão Preto, Piracicaba e São Carlos sigam a mesma orientação de barrar o funcionamento de prédios.

Até ontem não havia um balanço sobre adesão, mas serviços como o transporte na Cidade Universitária, restaurantes, o centro poliesportivo e áreas administrativas, como a prefeitura do câmpus e o serviço social, não funcionaram. Algumas bibliotecas, como a da ECA e da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) mantiveram as portas fechadas.

A greve foi anunciada no dia 29 de abril. A categoria quer uma reposição salarial de 16% e incorporação de R$ 200 ao salário-base. Outro ponto da lista de reivindicações é a extensão para todos os servidores das universidades estaduais paulistas do reajuste de 6% concedido aos professores.

Os servidores têm no dia 11 uma reunião com o Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp) para tratar das reivindicações. O Sintusp espera que funcionários da Unesp e da Unicamp também entrem em greve após a data. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG