Até às 18h30 desta tarde, a Polícia Militar registrava quase 500 atendimentos médicos e 26 ocorrências policiais, até com atropelamento grave, na Parada Gay, que aconteceu hoje na região da Avenida Paulista. Segundo o tenente-coronel Paulo Adriano Telhada, a maior parte dos casos médicos se refere ao excessivo consumo de bebida e as ocorrências são quase todas sobre pequenos furtos e roubos de celulares.

O atendimento médico mais grave foi feito a um funcionário de um dos trios elétricos, que foi atropelado. De acordo com a Polícia Militar, o homem, de 57 anos, foi encaminhado para a Santa Casa e deve sofrer uma cirurgia complicada em uma das pernas. A Santa Casa informou que a situação do ferido era grave em uma das pernas em que foi atingido pelo caminhão do trio elétrico, que teria passado sobre ela.

Entre as ocorrências policiais, uma outra que chamou a atenção aconteceu por volta das 14 horas, na esquina da Avenida Paulista com a Rua Joaquim Eugênio de Lima. Um trio elétrico com cerca de 50 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto Urbano (MSTU) tentou invadir a Parada Gay e foi impedido pela Polícia Militar.

"Eles não tinham autorização para desfilar e tentaram impedir a passagem de outros trios elétricos e das pessoas que acompanhavam o evento", informou o coronel Telhada. Quatro integrantes do MSTU foram presos e dois policiais ficaram feridos na confusão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.