François Ozon e diretora dinamarquesa abrem competição do Festival de Berlim

BERLIM ¿ Novos filmes de jovens diretores europeus deram início à mostra competitiva da 59ª edição do Festival de Cinema de Berlim, nesta sexta-feira, na capital alemã. O francês François Ozon e a dinamarquesa Annette K. Oleson comoveram os espectadores com dois longas-metragens que causaram boa impressão na platéia, dando uma mostra do potencial da nova geração do cinema europeu.

AFP |


"Ricky" foi o filme apresentado pelo francês François Ozon, mais conhecido pelo thriller erótico "Swimming Pool", com Charlotte Rampling. Seu longa-metragem é uma visão mágica de uma família dividida na Europa atual.

"Ricky" apresenta uma jovem mãe e sua filha Lisa, que deixam um espanhol entrar em suas vidas em um bairro decadente no subúrbio de uma cidade francesa sem nome. Da relação, nasce uma criança que desenvolve asas em suas costas.

"Ricky", filme fantástico do francês François Ozon, foi exibido em Berlim / Divulgação

Sua anomalia separa o casal, para o alívio da ciumenta Lisa, e mãe e filha ficam a princípio desconcertadas e depois maravilhadas quando a criança aprende a voar. A partir daí a trama se torna realmente estranha.

"Gosto de filmes que não seguem uma linha reta e ficam nos trilhos," disse Ozon, de 41 anos. "Gostei de ficar chocado como membro da plateia e, quando estou trabalhando em um filme, quero provocar reações no espectador."

Em "Little Soldier", a história de Lotte, uma ex-militar dinamarquesa que ao retornar do Iraque tenta salvar uma nigeriana que se prostitui em um povoado da Dinamarca, foi contada pela dinamarquesa Olesen nesta sexta-feira.

"O tema do filme é: o que fazer para salvar alguém? Quando começamos a trabalhar nessa história tínhamos vários caminhos: o tráfico de mulheres e as relações entre um pai e sua filha adulta. Além disso, entrei em contato com uma jovem militar dinamarquesa que havia retornado de uma missão no Iraque, tudo isso terminou se juntando", declarou após a exibição Oleson, um dos nomes mais conhecidos do atual cinema dinamarquês.

"Não queríamos cair em estereótipos. Lotte, a personagem dinamarquesa, tenta fazer Lilly, a prostituta nigeriana, voltar a seu país, mas Lilly não está de acordo", acrescentou a cineasta.

Lotte, a personagem vivida pela atriz Trine Dyrholm, retorna para uma pequena cidade da Dinamarca. Não tem trabalho, nem dinheiro. Seu pai vive com Lilly, a nigeriana que se prostitui para enviar alguns dólares para sua filha em Lagos, capital do país africano.

Pouco a pouco Lotte descobre que seu pai coordena uma rede de prostituição de africanas, e embora aceite no início, termina se revoltando, enfrentando-o e roubando o dinheiro proveniente do tráfico de mulheres.

A Berlinale dura 11 dias. É o primeiro grande festival do ano, e é considerado o segundo maior em tamanho e prestígio, depois do Festival de Cannes.

Leia mais sobre: Festival de Berlim

    Leia tudo sobre: festival de berlim

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG