Francês deve ser maestro interino da Osesp até 2011

Com a demissão do maestro John Neschling, anunciada anteontem pela Fundação Osesp, a orquestra deverá ser regida interinamente até 2011 (quando assume um novo diretor artístico) pelo maestro francês Yan Pascal Tortelier. A Fundação Osesp não confirma ou nega a informação, obtida pelo jornal O Estado de S. Paulo com fontes ligadas à orquestra, informa apenas que as negociações estão bem adiantadas e que o nome do novo regente principal pode ser anunciado nos próximos dias.

Agência Estado |

Filho do célebre violoncelista Paul Tortelier, o maestro francês já foi regente principal da Filarmônica da BBC e principal regente convidado da Sinfônica de Pittsburgh; em 2008, comandou a Osesp durante duas semanas, com resposta positiva dos músicos e da crítica.

A demissão de Neschling foi anunciada em carta enviada por e-mail ao maestro, que está regendo na Grécia e volta ao Brasil apenas no início de fevereiro. Por intermédio de seu assessor de imprensa, o maestro informa que não vai se pronunciar sobre a demissão antes da chegada ao Brasil e que está consultando seus advogados sobre questões contratuais - segundo a fundação, a conduta pública do regente está em desacordo com as cláusulas de seu contrato.

O silêncio, de resto, se espalha. Membros do conselho da Fundação Osesp também recusaram pedidos de entrevista. Maestros das principais orquestras do País procurados pelo Estado também preferiram não se pronunciar sobre a questão. Já o secretário-adjunto de Cultura Ronaldo Bianchi disse que o governo tem profundo respeito pelo trabalho do maestro e que ficou sabendo da decisão de demiti-lo da mesma forma que a imprensa e o público.

O compositor Gilberto Mendes elogiou, na manhã de ontem, o trabalho de Neschling e afirmou que sua saída é o fim de uma era, o começo do fim da Osesp. O mesmo espírito pode ser encontrado nos diversos fóruns de discussão que se estabeleceram na internet desde a divulgação da notícia. Da mesma forma, fãs da orquestra criaram na rede um abaixo-assinado no qual pedem a permanência do atual corpo administrativo e artístico da orquestra para que todo o trabalho realizado até o momento não tenha sido em vão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: osesp

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG