Fotógrafo é agredido por seguranças da Câmara

A entrega da defesa do deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho, ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara, acabou hoje em agressões ao jornalista Beto Barata, fotógrafo do jornal O Estado de S.Paulo , pela segurança da Casa.

Agência Estado |

Na tentativa de impedir Beto Barata de exercer o trabalho, ele foi imobilizado, estapeado e, na agressão física, teve o colete rasgado e uma lente da máquina danificada.

A atuação truculenta da segurança da Câmara começou quando uma funcionária de Paulinho que não se identificou deixou a sala do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar e seguia pelo corredor em direção a uma das saídas da Casa - a saída do prédio conhecido como anexo 2. Irritada por ser fotografada, ela pediu a intervenção dos seguranças. Ao ser abordado pelo segurança, Beto Barata mostrou credencial e identificou-se. Mesmo assim, o policial da Câmara disse que ele estava preso e o imobilizou. Mais policias chegaram para levar o fotógrafo à sala da segurança da Casa, que fica no anexo 3.

No meio do caminho, um dos seguranças deu um tapa no rosto de Beto Barata, que reagiu. O tumulto foi formado e o diretor do Departamento de Polícia Legislativa da Câmara, José Gilmar Araújo, foi chamado às pressas e avisou que o profissional não estava preso. Em nota divulgada hoje, a Secretaria de Comunicação Social da Câmara informou que, por determinação do diretor-geral, Sérgio Sampaio, será instaurado um inquérito "para cabal apuração do ocorrido, inclusive com o uso das imagens do circuito interno da Casa". O comunicado diz ainda que "os servidores envolvidos serão identificados e afastados de suas atividades de policiamento até o esclarecimento dos fatos".

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG