Por Nick Zieminski NOVA YORK (Reuters) - As regiões polares podem parecer monocromáticas e hostis, mas um novo livro mostra que estão cheias de criaturas coloridas.

"Antarctic", do fotógrafo alemão Michael Poliza, inclui cerca 180 imagens, cada uma delas em duas páginas de formato grande.

O objetivo declarado da obra é emocionar os fãs da natureza e qualquer pessoa preocupada com o meio ambiente ao mostrar animais de um modo mais intimista, muito diferente da fria paisagem do seu habitat.

"Tento criar emoções. A plateia prevista é qualquer pessoa que goste da natureza. Temos tanta informação crítica, da qual precisamos, mas não podemos nos sentir culpados por tudo o que acontece no mundo", disse o fotógrafo.

"Só nos sentimos responsáveis pelas coisas que nos tocam. Espero criar um pouco de responsabilidade no sentido de 'talvez não seja tarde demais; talvez eu precise lutar por isso'", acrescentou.

Apesar do título, cerca de metade das fotos foi feita no Ártico. Nenhuma imagem foi alterada, mas algumas enganam o olhar.

Uma imagem parece impossível, a não ser que um pinguim tivesse apontado a câmera para as próprias patas. Na verdade, Poliza fez a foto e depois a girou de ponta-cabeça.

Poliza mistura a arte fotográfica com o jornalismo, registrando e compilando informações sobre tudo o que sua lente focava, mas aplicando sua própria visão.

"Quero mostrar e informar, mas tento capturar texturas, ângulos inusitados. Trabalho muito com padrões gráficos, como um grupo de pinguins olhando para a mesma direção, enquanto um deles olha para mim. Gosto das abstrações."

Poliza já publicou dois livros de fotos sobre a África, e sua meta é lançar um para cada continente.

"Vou fazer um livro sobre a África do Sul antes da Copa, e uma versão para crianças de 'AntArctic'. O próximo projeto é Austrália e Nova Zelândia. Farei uma série de todos os continentes. A Europa será o último."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.