Dados atualizados da Fundação Oncocentro de São Paulo (Fosp) - que reúne estatísticas de 63 hospitais especializados do Estado de São Paulo - mostram que da parcela de 602 casos de câncer de mama registrados em 2008 (números notificados entre janeiro e julho), 35% foram em mulheres antes dos 50 anos. Em 2007, esta faixa etária correspondeu a 34,7% do total.

Em 2007, 33,9%. Em proporções bem maiores, porém, cresceram os hábitos femininos de desafiar a saúde com o uso de cigarro, álcool, estresse e sedentarismo, todos fatores de risco para o câncer de mama.

No Centro Estadual de Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod), a alta de pacientes mulheres em tratamento para o alcoolismo subiu 80% entre 2006 e 2007. Na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), os estudos mostram que as meninas menores de 13 anos fumam mais do que os meninos de mesma idade. Já o programa de vigilância de fatores de risco do Ministério da Saúde atestou que as mulheres são mais sedentárias do que os homens. A diferença chega a 10 pontos porcentuais.

O uso indiscriminado do anticoncepcional é outro fator que preocupa os especialistas, já que prática é comum entre adolescentes e ilustra a chamada banalização do contraceptivo citada por Mourão Netto, chefe da oncologia do Hospital A.C. Camargo. “As pessoas esquecem que os contraceptivos são medicamentos que precisam de orientação e acompanhamento médico, que podem causar reações adversas e não podem ser tomados sem supervisão”, alerta o especialista.

Ainda que as pílulas sejam apontadas como um dos métodos para evitar gravidez indesejada, outra lembrança feita pelos médicos é que o anticoncepcional não protege contra as doenças sexualmente transmissíveis (DST), como aids. Para ilustrar o cenário de infecção, uma pesquisa realizada pelo Hospital das Clínicas com garotas que engravidaram antes da maioridade mostrou que 70% delas estavam contaminadas pelo vírus HPV, também transmitido pelo sexo sem proteção, e que pode evoluir para o câncer de colo de útero, um dos mais fatais do sexo feminino segundo os números oficiais do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.