Força-tarefa tenta conter fogo em parque estadual de Tocantins

Fortes ventos, que nesta quarta-feira chegaram a 70km/h, e a baixa umidade do ar dificultam o trabalho dos bombeiros

AE |

Um incêndio atinge desde sexta-feira o Parque Estadual do Lajeado, a leste de Palmas, Tocantins. Nesta segunda-feira, uma força-tarefa foi constituída para tentar conter o fogo. Segundo o Corpo de Bombeiros de Tocantins, as chamas atingem também outros pontos da Serra do Carmo, onde o parque está inserido. A prioridade hoje é evitar que o incêndio se aproxime de algumas chácaras localizadas na serra.

Os bombeiros não souberam precisar a extensão da mata atingida, pois existem diversos focos de queimada. Nesta tarde, cinco equipes do corpo de bombeiros estavam distribuídas em uma faixa de 17 quilômetros.

Os fortes ventos, que nesta quarta-feira chegaram a 70km/h, e a baixa umidade do ar dificultam o trabalho da força-tarefa, formada por bombeiros, Guarda Metropolitana de Palmas e o 22º batalhão de Infantaria do Exército. As causas do incêndio ainda estão sendo investigadas pela Delegacia do Meio Ambiente.

Tempo seco no Centro-Oeste

O Distrito Federal deve continuar a registrar baixa umidade relativa do ar até o fim do inverno. A partir de 22 de setembro, a expectativa é que o índice aumente gradualmente. “A umidade não vai aumentar de uma vez. Durante alguns dias depois do inverno é normal que ela fique baixa”, disse a meteorologista do Climatempo Camila Ramos.

A previsão da empresa privada de meteorologia é que o índice não passe dos 12% até sábado. A umidade deve ultrapassar esse patamar no domingo, influenciada por uma frente fria que vai passar pelo litoral do Sudeste. Segundo Ramos, a umidade deve variar entre 20% e 30% na semana que vem.

A meteorologista ressalta que os números resultam do clima da região nesta época do ano. “O ar seco é uma característica de grande parte do Centro-Oeste no inverno e ele impede a chegada de frentes frias. Isso deixa o tempo mais quente e diminui a umidade do ar”, explica. O tempo também facilita a ocorrência de incêndios, porque deixa a vegetação mais seca.

De acordo com a meteorologista, o índice mais alto registrado nos últimos 15 dias para o período da tarde foi de 25%. Ontem, a umidade relativa do ar chegou a 7%, a mais baixa do ano para o DF.

Na última quinta-feira, a Secretaria de Educação do Distrito Federal recebeu recomendações da Defesa Civil sobre como proceder durante o período de seca. “Quando a umidade relativa do ar fica abaixo de 15%, nós enviamos um alerta para as escolas. Esse foi o primeiro deste ano”, afirmou o diretor executivo da Defesa Civil do DF, tenente-coronel Alexandre Costa. Segundo a secretaria, as escolas estão realizando atividades físicas leves, em espaços cobertos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica a umidade relativa do ar inferior a 30% como estado de atenção. Entre 20% e 12%, a situação é considerada estado de alerta e abaixo de 12%, alerta máximo. A faixa dos 20% provoca problemas respiratórios, secura na garganta, no nariz, olhos e pele.

* com informações da Agência Estado e Agência Brasil

    Leia tudo sobre: NACIONAL-GERAL

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG