Folhas antigas de Zona Azul à venda com ágio em SP

Com o reajuste da tarifa de Zona Azul que entrou em vigor ontem em São Paulo, postos credenciados e flanelinhas aproveitaram para faturar. Dos 15 pontos de venda oficiais pesquisados pela reportagem, nove estavam desrespeitando ontem a determinação da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e vendendo as folhinhas antigas por valores que iam de R$ 2 a R$ 4.

Agência Estado |

Para evitar o estoque de talões, o que fez a Prefeitura suspender o aumento da Zona Azul em julho, a companhia estabeleceu que, mesmo depois do reajuste, os talões que tivessem impresso o valor antigo teriam de ser vendidos sem o aumento. Nenhum dos locais visitados havia recebido os talões com o novo valor impresso, de R$ 3,00. Mesmo assim, ofereciam as folhas antigas com ágio.

Questionados sobre o superfaturamento e o desrespeito à determinação da CET, os comerciantes alegaram desconhecimento. Alguns tentavam até confundir o cliente. "É só na Prefeitura que se vende pelo preço oficial. Nos outros pontos, vendemos acima disso para ter um lucro mínimo", disse o dono de uma banca de revistas, na Avenida Liberdade. Ali, a folha avulsa era vendida a R$ 2,50.

Na região da Rua 25 de Março, um posto credenciado reajustou o cartão antigo para R$ 4. O atendente avisou que o preço subiria ainda mais depois que recebesse as folhas novas. "Aproveita que ainda está num preço bom. Vai aumentar e na rua você não encontra." O local fica a menos de 500 metros da sede da Secretaria Municipal de Transportes, localizada na Rua Boa Vista, no centro. A CET afirma que intensificou a fiscalização e chegou a descredenciar alguns postos oficiais.

Descredenciamento

A CET descredenciou ontem 49 postos de venda oficiais que não cumpriram a determinação de vender as folhas de Zona Azul antigas pelo valor impresso. Os endereços desses pontos já foram excluídos do site da companhia. Segundo a Prefeitura, há 130 agentes de trânsito nas ruas para fiscalizar os 3,7 mil postos de venda credenciados.

Em nota, a CET pediu ontem o apoio dos motoristas para identificar os locais que estão vendendo talões com ágio. As denúncias podem ser feitas pelo telefone 1188 e no site (www.cetsp.com.br). Entre os pontos oficiais, há agências dos Correios, lotéricas e lojas da Drogaria São Paulo e do Pão de Açúcar. Também é possível comprar o talão de Zona Azul, sem custo adicional, no site (www.zonaazulnasuacasa.com.br). As informações são do Jornal da Tarde.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG