Flagrado em vídeo colocando maços de dinheiro na cueca, o empresário Alcyr Collaço tem um histórico de crimes financeiros e negócios engendrados à sombra do poder político. Ex-operador credenciado na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), ele foi alvo de denúncias sobre aplicações suspeitas de fundos de pensão, investigadas em 2005 pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Correios.

Segundo dados levantados pela Inteligência da Polícia Federal (PF) no curso da operação Caixa de Pandora, que desmantelou o propinoduto do DEM do Distrito Federal, Collaço era dono da corretora Ipanema, envolvida em fraudes que deram prejuízo de mais de US$ 10 milhões ao banco Santander, em 2001. Ele chegou a ter prisão decretada e ficou foragido por quatro meses. A prisão acabou revogada, mas o processo continua e só espera a sentença. Por meio da assessoria, o Santander confirmou o golpe, mas disse que não comenta detalhes porque o processo "ainda está sub judice".

Procurado nos seus endereços residencial e de trabalho, Collaço não foi localizado. Ele deixou com a secretária, no escritório do seu jornal, "Tribuna do Brasil", a informação de que está em São Paulo cuidando de assuntos particulares e que não comentaria, por enquanto, as denúncias que o tornaram personagem da Caixa de Pandora.

A PF informou que Collaço é investigado como suspeito de ser um dos operadores do esquema do governo do Distrito Federal. Além de receber sua fatia, ele atuava como agente de repasse de recursos ao PPS, partido que integrava a base do governo Arruda, e em um esquema de blindagem do governador na mídia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.