Após 3 anos de contrato, em que controlou o sistema de diagnóstico por imagem na rede pública de saúde da capital paulista, em 16 de março, a Amplus deixou de operar serviços como raio X e ultrassom em 58 unidades sem ter instalado todos os equipamentos exigidos no contrato de R$ 108 milhões feito com a Prefeitura. A empresa é acusada de fraudes trabalhistas e sonegação de ao menos R$ 1,2 milhão, na qual a Secretaria Municipal da Saúde é considerada corresponsável.

Há dois anos, o Tribunal de Contas do Município (TCM) apontou as irregularidades, mas o contrato vigorou até o fim. A secretaria, que havia prometido nova licitação, atrasou a definição dos substitutos da Amplus - oito Organizações Sociais -, pondo em risco o atendimento de 250 mil pacientes por mês. Os novos contratos chegam a quase R$ 90 milhões, segundo o Diário Oficial . O valor supera o que foi pago à Amplus até o momento - R$ 84 milhões, de acordo com o Sistema de Execução Orçamentária da Prefeitura, mas a empresa diz ter recebido R$ 66 milhões.

A Amplus iniciou a remoção de parte das 71 máquinas que diz ter instalado, incluindo as de mamografia, raio X e ultrassonografia. O diretor comercial da empresa, José Florêncio Ribeiro, diz estar sendo impedido de retirá-las dos hospitais. “A transição está tumultuada.” A Saúde informou que o “processo se encerra na sexta-feira, quando a Amplus poderá retirar os equipamentos”. Segundo a administração municipal, a mudança foi feita “de forma planejada, para impedir que ocorra dificuldades ao usuário”. Para a pasta, as organizações escolhidas têm “credibilidade indubitável, com ampla experiência no atendimento à saúde da população”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.