BERLIM - O filme hispânico-peruano La Teta Asustada, de Claudia Llosa, ganhou neste sábado o Urso de Ouro do Festival de Berlim. O grande vencedor é baseado no mito andino de que as mulheres estupradas durante a violência política no Peru traumatizavam seus filhos ao dar-lhes o seio para mamar.

"Isto é para o Peru. Isto é para nosso país", disse a diretora Claudia Llosa, na cerimônia de premiação.

A atriz Magaly Soler interpreta Fausta, que nasceu "com o susto" causado pelo estupro de sua mãe. Ao morrer, esta expressou seu desejo de ser enterrada em seu povoado natal.

O filme não conta apenas a luta de Fausta para conseguir dinheiro para a viagem, como também o lento processo para se curar da doença causada pelo fato de ter enfiado uma batata na vagina por medo de também ser estuprada.

A co-produção de Uruguai, Argentina, Holanda e Alemanha "Gigante", de Adrián Biniez, recebeu o Grande Prêmio do Júri, compartilhado com o longa-metragem alemão "Alle Anderen", de Maren Aden.

O cineasta iraniano Asghar Farhadi conquistou o Urso de Prata de melhor direção por "Darbareye Elly".

Reuters
Diretora e elenco de "La Teta Asustada" no Festival de Cinema de Berlim

O Urso de Prata de melhor ator foi para o africano Sotigui Kouyaté, por seu papel em "London River", enquanto o prêmio de melhor atriz ficou com Birgit Minichmayr, por "Alle Anderen".

A atriz austríaca Birgit Minichmayr ganhou o Urso de Prata de melhor atriz por seu papel em "Alle Anderen" (Todos os outros), do alemão Maren Ade.

Para o júri, o melhor diretor do festival foi o cineasta iraniano Asghar Farhadi que ganhou o Urso de Prata de melhor direção pelo filme "Darbareye Elly".

Nesta edição do Festival, o júri decidiu dar dois prêmios Alfred Bauer, o de Biniez e outro ao diretor polonês Andrzej Wajda, de 82 anos, pelo filme "Tatarak". O júri do Festival de Berlim é presidido pela atriz Tilda Swinton.

Veja toda a lista de vencedores dos prêmios oficiais e de outras premiações de júris independentes:

Urso de Ouro: "La Teta asustada", de Claudia Llosa, uma co-produção de Peru e Espanha

Prêmio Especial do Júri: "Gigante", de Adrián Biniez, uma co-produção de Uruguai, Alemanha, Argentina e Holanda; e "Alle Anderen", de Maren Ade, da Alemanha.

Urso de Prata de melhor diretor: Asghar Farhadi, por "Darbareye Elly", do Irã.

Urso de Prata de melhor ator: Sotigui Kouyaté, por "London River", do Reino Unido.

Urso de Prata de melhor atriz: Birgit Minichmayr por "Alle Anderen", de Maren Ade, da Alemanha.

Urso de Prata de melhor roteiro: "The Messenger", de Oren Moverman e Alessandro Camon, dos Estados Unidos.

Prêmio Alfred Bauer: "Gigante", de Adrián Biniez, de Uruguai, Alemanha, Argentina e Holanda, e "Tatarak", de Andrzej Wajda, da Polônia.

Prêmio de melhor estreia: "Gigante", Adrián Biniez, de Uruguai, Alemanha, Argentina e Holanda.

Urso de Ouro de melhor curta-metragem: "Please Say Something", de David O'Reilly, da Irlanda.

Urso de Cristal ao Cinema Juvenil Generation 12plus: "My Suicide", de David Lee Miller, dos Estados Unidos.

Urso de Cristal ao Cinema Infantil Generation Kplus: "C'est pas moi, je le jure!", de Philippe Falardeau, do Canadá.

Prêmio Caligari da seção Fórum: "Ai no mukidashi" ("Love Exposure"), de Sono Sion, do Japão.

Prêmio do Público da seção Panorama: "The Yes Men Fix the World", de Mike Bonanno, Andy Bichlbaum e Kurt Engfehr, dos Estados Unidos.

Prêmio Teddy ao cinema homossexual: "Rabioso sol, rabioso cielo", de Julián Hernández, do México.

Prêmio C.I.A.C. (Confederação Internacional de Cinema de Arte e Ensaio): "Ander", de Roberto Castón, da Espanha.

Leia mais sobre: Festival de Berlim

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.