Filme de Lula será vendido a preço de pirata

Uma das produções mais caras do cinema nacional, o filme ¿Lula, o Filho do Brasil¿ deverá ser vendido em DVD a R$ 10. Os produtores, a família de Luiz Carlos Barreto, e a distribuidora Europa Filmes planejam estratégia, em parceria com as centrais sindicais, para vender o filme a preço popular. O objetivo principal é tentar combater a pirataria.

Lucas Ferraz, iG Brasília |

Para o acordo ser fechado, segundo disse à reportagem do iG Wilson Feitosa, diretor-presidente da Europa Filmes, só falta um acerto com entidades sindicais, como CUT (Central Única dos Trabalhadores) e Força Sindical, as duas maiores. Queremos que o filme chegue ao mercado para concorrer com os piratas, pois sabemos que ele será muito pirateado. As pessoas vão querer ter um em casa. Já temos uma estratégia muito bem montada para fazer isso [vender a R$ 10], disse Feitosa.

Polêmico, o acordo a ser fechado no ano eleitoral com as centrais sindicais é para que elas comprem um determinado lote e garantam a venda de DVDs para seus integrantes, para que seja possível cobrir os custos do preço popular. Uma das ideias é comercializar lotes corporativos, inclusive pela internet, em bancas de jornal, mercados e criar uma espécie de cupom para o DVD ser retirado posteriormente em alguma loja. Já há um acordo entre sindicatos, produtores e a Europa Filmes para que filiados das entidades tenham desconto no preço do ingresso nos cinemas: vão pagar metade do valor da entrada.

Só no ano passado, as entidades sindicais brasileiras, como federações, sindicatos e confederações, receberam de recursos do imposto sindical R$ 1,65 bilhão. De janeiro a julho deste ano, foram R$ 1,7 bilhão, verba desembolsada por trabalhadores e empresas por meio da contribuição sindical. O imposto, que não está sujeito à fiscalização por órgãos como o Tribunal de Contas da União (TCU), é a principal fonte de financiamento das entidades.

Os sindicalistas são favoráveis ao acerto para vender o filme a preço popular. É uma boa. Nesse valor dá para vender muito filme, disse o deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho, presidente da Força Sindical. O filme, que terá estreia nos cinemas de todo o país a partir do dia 1º de janeiro, deverá estar disponível em DVD no máximo até maio. Wilson Feitosa, contudo, quer antecipar o prazo para abril.

Seguindo o exemplo de Lula, o Filme do Brasil, o governo quer incentivar a adoção do mesmo valor de R$ 10 na venda de outras produções nacionais que devem ser lançadas no próximo ano (são pelo menos 30), como conta Luiz Paulo Barreto, secretário-executivo do Ministério da Justiça e presidente do Conselho Nacional de Combate à Pirataria (CNCP), que é favorável à proposta. O fim é o mesmo: tentar conter os piratas. Barreto cita o exemplo do filme animado Os Incríveis, cujo DVD original, ao custo de R$ 19,90, vendeu mais de um milhão de cópias.

Feitosa, da Europa Filmes, contudo, desconfia que seja possível aplicar o mesmo valor para as demais produções nacionais. Hoje o DVD é caro porque não tem grande escala de vendagem, diz. Ou seja, não é qualquer título que consegue vender milhares de cópias. O filme sobre Lula teve custo total de R$ 12 milhões. A obra, que não contou com leis de incentivo, seja municipal, estadual ou federal, foi bancada por 17 empresas.

Assista ao trailer do filme:

Leia mais sobre: Lula, o filho do Brasil

    Leia tudo sobre: cinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG