BRASÍLIA - Ivo Cassol Júnior, 26 anos, e Alessandro Cassol Zabott, 24 anos, - filho e sobrinho do governador de Rondônia, Ivo Cassol (sem partido) - que foram presos na Operação Titanic chegaram nesta terça-feira a Vitória (ES) para prestar depoimentos na sede da Polícia Federal.

Os dois estão na lista de 23 pessoas que receberam mandado de prisão da 1ª Vara Federal Criminal de Vitória por causa da  operação - deflagrada pelo Ministério Público Federal, Receita Federal e Polícia Federal - que apura crimes de sonegação de impostos em importações subfaturadas de automóveis e mercadorias de alto luxo.

O filho e o sobrinho do governador Ivo Cassol são acusados de tráfico de influência e de ganhar do empresário Adriano Mariano Scopel, dono da TAG Importação e Exportação de Veículos Ltda, ingressos para assistir em 21 de outubro do ano passado a corrida de Fórmula 1, realizada em São Paulo.

No total, R$ 29 mil teriam sido gastos na viagem. Em troca, de acordo com as investigações, os dois deveriam conseguir na secretaria de Fazenda de Rondônia a volta do desconto de até 85% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) concedido como incentivo fiscal à TAG Importação e Exportação de Veículos na década de 90 e retirada em janeiro de 2007.

Segundo o delegado da Polícia Federal Honasi de Paula Farias, a empresa que tem endereço fiscal em Porto Velho (RO), mas opera em Vila Velha (ES), voltou a ter o desconto do imposto em outubro do ano passado, logo após a corrida.

"O filho do governador solicitou que fossem comprados ingressos para ele, para o primo e para uma terceira pessoa para assistir à Fórmula 1 no 'padock' que é a área mais nobre da arquibancada do autódromo de Interlagos e, logo na seqüência, a TAG voltou a ter os benefícios fiscais."

O advogado de defesa de Ivo Cassol Júnior, França Guedes, nega que tenha ocorrido tráfico de influência. "Isso aí foi uma hipótese levantada, mas que não há nenhum elemento que traga isso nos autos", garantiu.

De acordo com as investigações, o filho do governador ainda teria se beneficiado com a compra de uma caminhonete importada (modelo Cherokee). A prisão dos dois acusados é temporária, para investigação de inquérito policial.

A assessoria de imprensa do governador de Rondônia divulgou na internet que Ivo Cassol Júnior vai voltar livre ao estado, após o período de prisão preventiva (de até cinco dias). O governador nega que o filho tenha adquirido a caminhonete e tenha feito tráfico de influência. A reportagem foi informada que o governador não gravaria entrevista nesta terça-feira.

O Ministério Público Federal no Espírito Santo encaminhou cópia dos documentos à Procuradoria Geral que fará uma avaliação sobre a possibilidade de abertura de processo contra o governador Ivo Cassol no Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia mais sobre: Operação Titanic

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.