FIlho de Jerominho fica calado durante interrogatório no Rio

RIO DE JANEIRO ¿ O ex-policial militar Luciano Guinâncio Guimarães, filho do vereador Jerônimo Guimarães Filho, o Jerominho, preso na última quinta em Barbacena, interior de Minas Gerais, usou do seu direito de ficar calado durante interrogatório realizado nesta quarta-feira, na Seção Criminal do Tribunal de Justiça do Rio.

Redação |

Acordo Ortográfico

Acusado de integrar a milícia intitulada Liga da Justiça, com forte atuação na zona oeste do Rio, Luciano foi apontado pelo secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, como o mandante da chacina na favela do Barbante, em Campo Grande, na mesma área de atuação do grupo paramilitar. Na ocasião, sete pessoas foram assassinadas.

A ação penal contra o ex-policial, Jerominho, o deputado estadual Natalino José Guimarães e mais cinco pessoas foi aberta no dia 7 de abril, quando órgão especial do Tribunal de Justiça (TJ) do Rio aceitou denúncia do ministério público.

Eles são acusados de cobrar dinheiro da população em troca de segurança, além de controlar serviços como TV a cabo pirata, a distribuição de gás e transporte público ilegal nos bairros de Campo Grande, Guaratiba, Paciência, Cosmos e Santa Cruz

O interrogatório foi presidido pelo juiz Paulo César Vieira de Carvalho Filho, por designação da relatora da ação penal pública, a desembargadora Maria Henriqueta Lobo.

Leia mais sobre: milícias

    Leia tudo sobre: chacinamilícias

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG