Filha abusada por 17 anos não quer prisão de pai, diz polícia

Pai teve sete filhos com a própria filha no Maranhão. Exames mostram que filha-neta de 5 anos também sofreu violência sexual

iG São Paulo |

AE
Lavrador preso sob suspeita de abusar e engravidar a filha sete vezes
A jovem S.M.M, de 29 anos, que desde os 12 era abusada pelo pai, o lavrador José Agostinho Bispo Pereira, de 54 anos, ainda reluta em aceitar que ele foi preso. “Ela o chama de pai, mas os dois tiveram sete filhos juntos, viviam como casal”, afirma a delegada Adriana Meireles, responsável pela prisão do lavrador, em um vilarejo na cidade de Pinheiro, interior do Maranhão.

“Ela está confusa. Tem um carinho por ele”, afirma. Além disso, segundo Adriana, S.M.M. mostra-se preocupada com as crianças.

De acordo com a delegada, a vítima apresenta distúrbios psicológios, possivelmente, causados pela própria situação que viveu. “Ela nunca frequentou a escola, não sabe escrever nem o próprio nome. O pai controlava o direito dela ir e vir. Quando saía, ia junto para evitar que ela falasse com qualquer pessoa”, conta.

Filha-neta abusada

Além da mãe, as duas filhas-netas de Pereira relatam ter sido abusadas. Exames realizados por médicos do Hospital Municipal Materno-Infantil de Pinheiro e divulgados nesta quinta-feira comprovam que a menina mais nova, de apenas 5 anos, sofreu violência sexual, o que provocou uma lesão vaginal com rompimento parcial do hímen. “Ela chorava muito de dor, não deixava que chegassem perto”, conta a delegada Adriana.

EFE
Casa precária no interior do Maranhão onde vítima vivia com o pai e os filhos
Na mais velha, de 8 anos, os exames não constataram penetração, mas isso, para a polícia, não descarta a possibilidade de que ela também tenha sido abusada pelo pai-avô.

As duas meninas, os outros cinco irmãos homens e a mãe estão desde terça-feira abrigados temporariamente no Conselho Tutelar do município. Uma menina de dois meses, também filha dos dois, foi doada a uma família da região, segundo contou a mãe à polícia. A Justiça ainda decide para onde a família será encaminhada. Todos passaram por exames médicos e odontólogios, receberam roupas e comida. “As crianças estavam desnutridas, com arranhões e piolhos. Tudo pela condição desumana em que viviam”, afirma a delegada.

O crime

A polícia descobriu a família após uma denúncia anônima há cerca de quinze dias durante uma passeata de combate à pedofilia na região. “Informaram o caso a um vereador. Depois, começamos a ouvir moradores e todos suspeitavam disso, mas tinham medo de se envolver. A população é muito humilde”, afirma a delegada.

Na última terça-feira, investigadores chegaram até a casa do lavrador, que fica em um local de difícil acesso onde só é possível ir de canoa. A casa mais próxima está localizada há cerca de 1 km dali. A situação é descrita como sub-humana pela delegada.

Pereira está preso no 2º Distrito Policial da cidade de Pinheiro. Ele deverá responder pelos crimes de abandono material e intelectual - já que a filha e os netos nunca puderam estudar - maus tratos, cárcere privado e estupro.

    Leia tudo sobre: incestomaranhãoestupro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG