Fila de espera para compra de bafômetro pode chegar a 60 dias em São Paulo

SÃO PAULO - Com medidas mais severas para quem dirige alcoolizado, a venda de bafômetros aumentou consideravelmente em todo o País. Donos de bares e restaurantes são os principais interessados no equipamento, que custa de R$300 a até R$10 mil. Farmácias e casas de show também estão adquirindo o equipamento, de acordo com informações de revendedoras ouvidas pela reportagem.

Redação |


Segundo a gerente de vendas da HiSeg, Vanessa Mano, a procura por esse tipo de produto começou na semana passada, quando a nova lei entrou em vigor, e o estoque do modelo mais simples acabou, tendo previsão de entrega somente para 40 dias. Ela diz que, antes, os principais clientes eram transportadoras e órgãos públicos. Nunca tínhamos vendido para consumidores finais, revela Vanessa.

O vendedor Ricardo Oliveira afirma que o aumento na procura chega a 70%. Nosso estoque acabou em quatro dias e já temos seis pedidos na lista, com previsão de entrega de cinco dias, conta. Já na Instrutemp, o tempo de espera é muito maior, de quase 60 dias. O supervisor comercial Fernando Santos, explica que os pedidos, que antes eram cerca de 10 por mês, hoje já chegam a 50.

Existem dois tipos de bafômetro: o homologado, que é mais caro e serve como uma prova judicial; e o simples, que é o mais apropriado para fazer pequenos testes em bares e restaurantes. O aparelho homologado geralmente é usado por órgãos de fiscalização. A maioria dos equipamentos comercializados é importada da Ásia e não têm certificado do Inmetro.

Leia mais sobre: Lei Seca

    Leia tudo sobre: lei seca

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG