Fiéis fazem vigília em Igreja onde está corpo de Irmã Dulce

Esta é a última etapa antes da proclamação da freira baiana como beata pelo Papa Bento 16

iG São Paulo |

AE
Fiéis na Igreja da Imaculada Conceição da Mãe de Deus
Nesta quarta-feira, centenas de fiéis fazem vigília na Igreja da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, em Salvador, onde estão o corpo de Irmã Dulce, exumado e exposto pela última vez à visitação. Esta é a última etapa antes da proclamação da freira baiana como beata pelo Papa Bento 16, que deve ocorrer até o final do ano.

Em janeiro de 2009, a Congregação para a Causa dos Santos Vaticanos, colégio de cardeais e bispos que analisa os processos de beatificação, reconheceu a Irmã Dulce como figura venerável. A decisão foi tomada por unanimidade.

Com o título de venerável, a freira baiana é reconhecida pelo Vaticano como uma serva de Deus que teve a vida pautada por realizações em benefício do outro. A próxima etapa do processo é a comprovação de milagres da brasileira, que precisam passar pelo crivo de teólogos, peritos médicos e por um colégio de cardeais.

Uma graça é considerada milagre após ficar demonstrado que foi alcançada logo após o pedido; se o pedido foi atendido de forma completa, se foi permanente e se não pode ser explicado pela ciência. É a última etapa do processo de canonização.

‘O Anjo Bom da Bahia'

Conhecida também como "O Anjo Bom da Bahia", Maria Rita Pontes, a Irmã Dulce, era devota de Santo Antônio e praticava caridade desde os 13 anos, quando ajudava mendigos e desvalidos. Aos 18 anos, ingressou na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição e se entregou à vida celibatária.

AE
Fiéis fazem vigília em Igreja em Salvador
Ela foi uma das fundadoras do Hospital Santo Antônio, um dos mais tradicionais de Salvador. Irmã Dulce morreu em 1992, aos 77 anos, em decorrência de problemas respiratórios.
Entre os milagres atribuídos à brasileira, e que serão avaliados pelo Vaticano, o de maior relevância refere-se a uma mulher que sofreu uma intensa hemorragia durante um trabalho de parto e teria sido salva graças às preces da família à baiana.

Hoje será celebrada missa solene, presidida pelo Arcebispo de Salvador, Cardeal Geraldo Majella Agnello, e em seguida, as relíquias serão transferidas para a capela definitiva localizada na igreja.

(*com informações da Agência Estado)

    Leia tudo sobre: Irmã Dulce

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG