FHC: PSDB teve papel predominante na Prefeitura de SP

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) deu hoje um tom de continuidade à eventual futura gestão do candidato da coligação São Paulo, na Melhor Direção (PSDB-PTB-PHS-PSL-PSDC) à Prefeitura, Geraldo Alckmin. Em um elogio ao atual prefeito Gilberto Kassab, que disputa a reeleição pela coligação São Paulo no Rumo Certo (DEM-PR-PMDB-PRP-PV-PSC), Fernando Henrique disse que ele deixará uma prefeitura organizada para o próximo que assumir o cargo.

Agência Estado |

"Alckmin herda uma prefeitura organizada, onde o PSDB teve um papel predominante", afirmou o ex-presidente. "É normal dizer isso, mesmo que o prefeito atual seja de outro partido e compita com Alckmin."

Fernando Henrique, que apoiou no início do ano a candidatura de Kassab em uma aliança entre PSDB e DEM, negou sentir qualquer constrangimento por, agora, apoiar Alckmin. "Estrategicamente aquilo me parecia conveniente, mas não houve condições de formalizar essa aliança. Obviamente fico com meu partido", disse. "O que importa é que logo estaremos de novo nessa mesma aliança estratégica, no segundo turno das eleições. Os adversários principais estão do outro lado."

Alckmin recebeu a visita de FHC hoje à tarde, em seu comitê central de campanha, na República, região central de São Paulo. Os dois conversaram por meia hora a portas fechadas e Fernando Henrique gravou, sem a presença de Alckmin, um depoimento em vídeo para o programa eleitoral do tucano.

O candidato considerou o encontro a confirmação de um apoio fundamental em sua campanha. "É uma honra e uma alegria receber aqui o presidente que mudou o Brasil", disse Alckmin. "Tivemos uma conversa muito descontraída. Ele contou histórias de quando foi candidato a prefeito de São Paulo e falou da família". Questionado se FHC o ajudaria a colocar outros importantes cabos eleitorais do partido ao seu lado, o candidato respondeu "não ter dúvida sobre isso".

Corpo a corpo

Aproveitando uma trégua da chuva, os dois caminharam juntos pela Rua Araújo, onde fica o comitê, até uma lanchonete para tomar café. Ao longo do percurso, populares pararam a dupla para tirar fotografias e cumprimentá-los. Apesar de acompanhar Alckmin na curta caminhada, FHC disse que não pretende fazer campanha pelo candidato. "Ele não precisa disso, pois já tem tudo. O importante da campanha é o candidato, o resto é subsidiário", disse. "Passei da época de estar no dia-a-dia da política."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG