Festival relembra legado de Jerzy Grotowski no Rio

Entre estudiosos do teatro, o polonês Jerzy Grotowski é referência forte, talvez tanto quanto o russo Constantin Stanislavski ou mesmo o alemão Bertolt Brecht. Para o público em geral, no entanto, trata-se de um nome desconhecido.

Agência Estado |

Esta semana, a obra deste diretor e pesquisador, que morreu há dez anos na Itália, onde fundara seu Workcenter, centro de pesquisas que recebia gente do mundo todo, está sendo esmiuçada no Festival Internacional Grotowski: Uma Vida Maior Que o Mito. O evento reunirá no Rio, até domingo, atores, diretores, estudiosos e, também, curiosos.

Grotowski esteve no Brasil em duas ocasiões, em 1974 e em 1996. Desta vez, será representado não só pelo legado que deixou para gerações de artistas, mas também por dois companheiros do Teatro Laboratório, o qual fundou 50 anos atrás: entre eles, o polonês Ludwik Flaszen, de 79 anos, cofundador, que na segunda-feira abriu o festival com uma palestra, no Teatro Glauce Rocha (o palco é o mesmo onde Grotowski falou em 1974), e o diretor e ator francês François Kahn.

Estão programados palestras e workshops no Teatro Poeira e na Escola de Teatro da Universidade Federal do Estado do Rio (Uni-Rio). O festival se estende a São Paulo, no Teatro da USP, onde Kahn dará uma palestra no dia 10, às 21h30, e ainda a Belo Horizonte, Ouro Preto e Santa Maria, no Rio Grande do Sul, graças à adesão da UFMG, da UFOP e da UFSM.

Artistas brasileiros que utilizaram seu método de trabalho, como Cacá Carvalho, Eduardo Tolentino e Celso Nunes, vão participar. A organização é de Tatiana Motta Lima, atriz e professora da Uni-Rio, cuja tese de doutorado em artes cênicas foi sobre Grotowski.

Ela se recorda bem da última palestra do mestre no País, no Sesc Anchieta. "Foi um momento muito importante, uma virada para entender sua visão da arte como veículo", diz Tatiana. A pesquisadora lembra que ainda hoje é difícil acessar textos do autor no Brasil, o que torna o festival uma oportunidade de se descobrir e vivenciar seu trabalho, que é tema de estudo em muitas de nossas universidades. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG