Festival de Veneza começa com Pitt e Clooney em comédia maluca

VENEZA, por Mike Collett-White e Silvia Aloisi ¿ Brad Pitt e George Clooney protagonizam uma comédia maluca dos irmãos Coen em que dois funcionários de uma academia de Washington se envolvem no mundo da espionagem internacional, com consequências mortais.

Reuters |

"Queime Depois de Ler", um misto de filme de espionagem e comédia de pastelão, garante uma abertura animada para o festival de Veneza deste ano, onde o filme fará sua estréia nesta quarta-feira.

O filme levará astros de Hollywood e multidões de fãs ao evento de 11 dias na cidade italiana, onde cinema de arte asiático e europeu vai competir com pesos pesados de Hollywood na disputa pelos prêmios a serem entregues na cerimônia de encerramento, em 6 de setembro.

"Queime Depois de Ler" traz Joel e Ethan Coen trabalhando novamente com Frances McDormand ¿ que é casada com Joel e recebeu um Oscar por seu papel em 'Fargo', de 1996, feito pelos dois irmãos ¿ e também com Clooney, dirigido por eles em "E Aí, Meu Irmão, Cadê Você?".

Clooney admite que curte fazer o papel de idiota sob a direção dos irmãos Coen, que este ano tiveram um grande triunfo no Oscar, onde seu drama "Onde os Fracos Não Têm Vez" recebeu quatro estatuetas, incluindo as de melhor filme e melhor direção.

"Já fiz três filmes com eles, e eles os chamam de minha trilogia de idiotas", disse o ator a jornalistas depois de uma sessão de "Queime Depois de Ler" para a imprensa.

O ator de 47 anos faz um policial federal nervoso, cheio de tiques, cujos casos extraconjugais o levam a conhecer um instrutor de academia (Brad Pitt) que quer a qualquer custo extorquir um analista demitido da CIA cujo livro de memórias desapareceu.

"Depois de ler o papel, que eles disseram que foi escrito expressamente para mim, eu não entendi se deveria me sentir lisonjeado ou insultado", disse Pitt, cujo personagem os diretores descrevem como "idiota".

Joel Coen disse que ele e seu irmão têm "longo histórico de escrever papéis para personagens imbecis". "E por falar nisso, estou tendo a impressão de que vocês acham que há algo de errado em ser idiota. Cuidado com isso ¿ é um tema delicado, e o termo se aplica a muita gente."

Hollywood e filmes de arte

Embora haja cinco filmes norte-americanos entre os 21 da competição principal, eles representam o cinema "independente" em oposição aos grandes estúdios, a maioria dos quais não está presente em Veneza este ano.

O diretor do festival, Marco Mueller, desmentiu a idéia de que Veneza, que enfrenta a concorrência do festival de Toronto, que começa em setembro, estaria tendo dificuldade em conseguir os maiores títulos.

Ele disse que a presença menor de Hollywood este ano se deve em parte à greve dos roteiristas que terminou em fevereiro e acrescentou: "O cinema americano ainda está no centro da programação". "Queime Depois de Ler" não está na competição principal.

Um dos que competem pelo prêmio principal é "Rachel Getting Married", do diretor premiado com o Oscar Jonathan Demme. O filme é estrelado por Anne Hathaway e Debra Winger, que já foi três vezes indicada ao Oscar.

Kathryn Bigelow dirige o drama "The Hurt Locker", sobre a guerra do Iraque, um ano depois de "Redacted", de Brian de Palma, ter estarrecido o público de Veneza com sua reconstrução brutal de fatos da guerra.

Mickey Rourke protagoniza "The Wrestler", de Darren Aronofsky, e o aclamado roteirista mexicano Guillermo Arriaga faz sua estréia na direção com "The Burning Plain", com as premiadas com o Oscar Charlize Theron e Kim Basinger.

O Japão terá três filmes na mostra competitiva, liderados por "Ponyo on the Cliff by the Sea", do renomado diretor de animação Hayao Miyazaki, que já dominou a bilheteria em seu país.

Leia mais sobre: Festival de Veneza

    Leia tudo sobre: festival de veneza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG