Ferroviários do Rio de Janeiro decidem manter paralisação

RIO DE JANEIRO - Os funcionários da Supervia, concessionária responsável por terminais de trens no Rio de Janeiro, decidiram em assembleia geral manter, nesta terça-feira, a paralisação iniciada na segunda-feira.

Redação com Agência Estado |

O presidente do Sindicato dos Ferroviários, Valmir Índio Lemos, confirmou a continuidade da paralisação, mas afirmou que o sindicato vai acatar a determinação liminar do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de que pelo menos 60% dos funcionários trabalhem nos horários de pico e 40% nos períodos de menor movimento.

Os ferroviários pedem melhores condições de trabalho e que a empresa cancele demissões de maquinistas feitas na semana passada. Segundo a Supervia, nesta terça-feira será adotado o mesmo esquema emergencial utilizado nesta segunda-feira, com intervalos maiores entre as partidas de trens nos ramais Japeri, Santa Cruz, Deodoro, Belford Roxo e Saracuruna.

Não há garantia de funcionamento das linhas Paracambi e Inhomirim. As informações são da "Agência Brasil".

Trens em esquema emergencial

Assim como na segunda-feira, os trens da região metropolitana do Rio de Janeiro operam em esquema emergencial com a greve dos maquinistas.

Veja o que muda no intervalo entre as composições:

  • Ramal Japeri: intervalos de 15 minutos
  • Ramal Santa Cruz: intervalos de 15 minutos
  • Ramal Deodoro: intervalos de 8 minutos
  • Ramal Belford Roxo: intervalos de 30 minutos
  • Ramal Saracuruna: intervalos de 30 minutos

A SuperVia, concessionária que administra os trens, afirmou, nesta terça-feira, que os ferroviários não cumpriram o mínimo de trabalhadores previsto por uma liminar no Tribunal Regional do Trabalho. Com a decisão, 60% dos maquinistas deveriam trabalhar e o não cumprimento pune o sindicato em R$ 50 mil por dia.

Veja o vídeo:

Leia mais sobre: greve dos ferroviários

    Leia tudo sobre: ferroviários

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG